Fleury (FLRY3) amplia home office e repensa custos

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação Fleury

Com o isolamento social provocado pela pandemia de Covid-19, muitas empresas vêm repensando sua relação com o espaço corporativo.

Na Fleury, rede de laboratórios com sede em São Paulo (SP), a ordem é unificar as operações atualmente espalhadas pela cidade.

Segundo reportagem do Estadão, a adoção do home office pela área administrativa do Fleury, hoje com 1,4 mil colaboradores, será intensa: 30% dos trabalhadores vão atuar em tempo integral de suas próprias residências. O restante, 70%, deverão ir ao escritório de duas a três vezes por semana.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Com a pandemia, a nova sede, atualmente em construção, já passou por uma repaginada. Segundo o diretor executivo de pessoas e sustentabilidade da companhia, Eduardo Marques, o espaço destinado às mesas individuais foi reduzido para 20% da ocupação total.

O executivo diz ainda que é provável que, com o tempo, um percentual cada vez maior da área ocupada por funções administrativas seja cedido à central de análises de exame, que exige um espaço corporativo maior.