FIIs recomendados pelo BTG Pactual (BPAC11) para abril

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação

O Banco BTG Pactual (BPAC11) divulgou nesta quinta-feira (2) sua carteira recomendada de Fundos Imobiliários para o mês de abril.

O portfólio é composto por doze ativos: RBRR11 (12,5%); BTCR11 (7,5%); KNCR11 (5,0%); CPTS11 (7,5%); XPLG11 (10,0%);VILG11 (10,0%); HSLG11 (7,5%); RBRP11 (15,0%); SARE11 (10%); BRCR11 (5,0%); RCRB11 (5,0%) e HGRE11 (5,0%).

Os FIIs que compõem a carteira estão divididos entre: recebíveis (32,5%), galpões logísticos (27,5%), híbrido (25,0%) e lajes corporativas (15,0%).

Não Perca! Começa hoje o evento que vai transformar sua visão sobre Fundos de Investimento Imobiliário

A carteira do BTG apresenta dividend yield anualizado de 7,0% e dividend yield para os próximos 12 meses de 6,7%, enquanto as cotas dos fundos sugeridos negociam, na média, com ligeiro desconto em relação aos seus valores patrimoniais.

Em termos de liquidez, a carteira possui o volume médio diário de negociação de aproximadamente R$ 3,8 milhões.

Perspectivas para indústria imobiliária

O BTG segue otimista com o mercado imobiliário apesar do cenário desafiador de curto prazo, em virtude do patamar baixo de taxas de juros comparativamente ao histórico brasileiro.

Segundo o banco, esse ambiente ajudou o desenvolvimento do mercado nos últimos 3 anos impulsionando o número de investidores e liquidez dos fundos.

O banco também entende que a indústria deve continuar crescendo a passos largos. Adicionalmente, a retomada da atividade economia tem a capacidade de aumentar a demanda por bens e serviços, estimulando as empresas a crescerem e beneficiando os segmentos de lajes corporativas, galpões logísticos e shopping centers.

Por fim, os analistas do banco acreditam que o setor imobiliário tende a apresentar uma boa performance nos próximos anos, com valorização no valor dos ativos.

Dessa forma, uma carteira diversificada (diferentes gestores e segmentos) com ativos de tijolo de alta qualidade e bem localizados (como os sugeridos) é a melhor forma de estar exposto ao mercado imobiliário de forma resiliente em períodos de maior volatilidade e se beneficiar em momentos de retomada.

FII RBR Rendimento High Grade (RBRR11)

O RBRR11 é um fundo de recebíveis imobiliários que tem o objetivo de investir em títulos e valores mobiliários por diferentes veículos, tais como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e cotas de outros Fundos Imobiliários.

O diferencial do fundo é o investimento em operações exclusivas de originação própria, o que permite ao fundo customizar taxas, prazos e garantias atreladas à operação.

FII BTG Pactual Crédito Imobiliário (BTCR11)

O BTCR11 é um fundo que busca adquirir papéis de empresas consolidadas, com foco no longo prazo e na preservação do capital investido.

FII Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11)

O KNCR11 é um dos maiores fundos do segmento de recebíveis e tem como estratégia adquirir papéis de empresas consolidadas em seus setores de atuação.

Capitânia Securities II FII (CPTS11)

O CPTS11 é um fundo que busca adquirir papéis majoritariamente high grade podendo investir também em cotas de outros Fundos Imobiliários.

XP Log FII (XPLG11)

O XP Log FII é um fundo que atua no segmento de galpões logísticos e industriais que teve suas atividades iniciadas em 2018. Os ativos que compõe a carteira do fundo estão distribuídos entre os estados de São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O setor de galpões logísticos foi um dos menos impactos pela pandemia, por conta da necessidade de distribuição de produtos nesse momento, bem como a tipicidade dos contratos de locação que, muitas vezes, apresentam clausulas rígidas em relação ao inadimplemento e a rescisão antecipada.

HSI Logística FII (HSLG11)

O HSLG11 é um fundo de galpões logísticos que visa obter renda através do investimento direto ou indireto em imóveis de perfil logístico.

Esses investimentos podem ser realizados através de operações típicas de compra e venda, ou através de operações built-to-suit ou sale-leaseback.

Vinci Logística FII (VILG11)

O Vinci Logística FII é um fundo que tem por objetivo obter renda e ganho de capital através da exploração de empreendimentos imobiliários focados em operações no segmento de logística.

Atualmente o fundo possui exposição nas regiões Sul, e Sudeste, com ativos localizados em Minas Gerais, São Paulo Rio de Janeiro e Espírito Santo.

FII RBR Properties (RBRP11)

O RBR Properties é um fundo hibrido que investe em diferentes tipos de imóveis, como lajes corporativas e galpões logísticos, em participações diretas ou indiretas (cotas de outros Fundos Imobiliários).

Além disso, outra parte da estratégia é investir em ativos de renda fixa (CRIs e LCIs), bem como aportar uma pequena parte do patrimônio em incorporações, buscando surfar o ciclo de expansão do mercado imobiliário.

Santander Renda de Aluguéis (SARE11)

O Santander Renda de Aluguéis tem como objetivo investir em imóveis comerciais, visando a obtenção de renda através da exploração de ativos localizados preferencialmente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

BTG Pactual Corporate Office Fund (BRCR11)

O BC Fund é um fundo de lajes corporativas que visa investir em edifícios de alto padrão construtivo denominados “AAA”, e localizadas nas principais regiões de negócios do Brasil.

A maior parte dos ativos que compõem a carteira do fundo está localizado no estado de São Paulo, porém, o fundo ainda possui participação no Rio de Janeiro.

O BTG acredita que mesmo nesse cenário de curto prazo desfavorável, o segmento de lajes corporativas atrelado à ativos premium deverá ter um bom desempenho nos próximos anos, em virtude do baixo nível de vacância dado o baixo nível de lançamentos previstos.

FII Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11)

O RCRB11 é um fundo de lajes corporativas que busca adquirir escritórios de alto padrão construtivos localizados nas principais regiões de negócios dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, como Avenida Paulista, Avenida Juscelino Kubitschek e a Vila Olímpia.

CSHG Real Estate FII (HGRE11)

O CSHG Real Estate FII tem como objetivo a aquisição de ativos imobiliários de perfil corporativo prontos ou em construção, localizados nas principais regiões do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre) visando obter renda através da sua exploração comercial, ou para posterior alienação.