FIIs recomendados pelo BTG Pactual (BPAC11) para abril

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação

O Banco BTG Pactual (BPAC11) divulgou nesta quinta-feira (2) sua carteira recomendada de Fundos Imobiliários para o mês de abril.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

O portfólio é composto por doze ativos: RBRR11 (12,5%); BTCR11 (7,5%); KNCR11 (5,0%); CPTS11 (7,5%); XPLG11 (10,0%);VILG11 (10,0%); HSLG11 (7,5%); RBRP11 (15,0%); SARE11 (10%); BRCR11 (5,0%); RCRB11 (5,0%) e HGRE11 (5,0%).

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

Os FIIs que compõem a carteira estão divididos entre: recebíveis (32,5%), galpões logísticos (27,5%), híbrido (25,0%) e lajes corporativas (15,0%).

A carteira do BTG apresenta dividend yield anualizado de 7,0% e dividend yield para os próximos 12 meses de 6,7%, enquanto as cotas dos fundos sugeridos negociam, na média, com ligeiro desconto em relação aos seus valores patrimoniais.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Em termos de liquidez, a carteira possui o volume médio diário de negociação de aproximadamente R$ 3,8 milhões.

Perspectivas para indústria imobiliária

O BTG segue otimista com o mercado imobiliário apesar do cenário desafiador de curto prazo, em virtude do patamar baixo de taxas de juros comparativamente ao histórico brasileiro.

Segundo o banco, esse ambiente ajudou o desenvolvimento do mercado nos últimos 3 anos impulsionando o número de investidores e liquidez dos fundos.

O banco também entende que a indústria deve continuar crescendo a passos largos. Adicionalmente, a retomada da atividade economia tem a capacidade de aumentar a demanda por bens e serviços, estimulando as empresas a crescerem e beneficiando os segmentos de lajes corporativas, galpões logísticos e shopping centers.

Por fim, os analistas do banco acreditam que o setor imobiliário tende a apresentar uma boa performance nos próximos anos, com valorização no valor dos ativos.

Dessa forma, uma carteira diversificada (diferentes gestores e segmentos) com ativos de tijolo de alta qualidade e bem localizados (como os sugeridos) é a melhor forma de estar exposto ao mercado imobiliário de forma resiliente em períodos de maior volatilidade e se beneficiar em momentos de retomada.

FII RBR Rendimento High Grade (RBRR11)

O RBRR11 é um fundo de recebíveis imobiliários que tem o objetivo de investir em títulos e valores mobiliários por diferentes veículos, tais como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e cotas de outros Fundos Imobiliários.

O diferencial do fundo é o investimento em operações exclusivas de originação própria, o que permite ao fundo customizar taxas, prazos e garantias atreladas à operação.

FII BTG Pactual Crédito Imobiliário (BTCR11)

O BTCR11 é um fundo que busca adquirir papéis de empresas consolidadas, com foco no longo prazo e na preservação do capital investido.

FII Kinea Rendimentos Imobiliários (KNCR11)

O KNCR11 é um dos maiores fundos do segmento de recebíveis e tem como estratégia adquirir papéis de empresas consolidadas em seus setores de atuação.

Capitânia Securities II FII (CPTS11)

O CPTS11 é um fundo que busca adquirir papéis majoritariamente high grade podendo investir também em cotas de outros Fundos Imobiliários.

XP Log FII (XPLG11)

O XP Log FII é um fundo que atua no segmento de galpões logísticos e industriais que teve suas atividades iniciadas em 2018. Os ativos que compõe a carteira do fundo estão distribuídos entre os estados de São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O setor de galpões logísticos foi um dos menos impactos pela pandemia, por conta da necessidade de distribuição de produtos nesse momento, bem como a tipicidade dos contratos de locação que, muitas vezes, apresentam clausulas rígidas em relação ao inadimplemento e a rescisão antecipada.

HSI Logística FII (HSLG11)

O HSLG11 é um fundo de galpões logísticos que visa obter renda através do investimento direto ou indireto em imóveis de perfil logístico.

Esses investimentos podem ser realizados através de operações típicas de compra e venda, ou através de operações built-to-suit ou sale-leaseback.

Vinci Logística FII (VILG11)

O Vinci Logística FII é um fundo que tem por objetivo obter renda e ganho de capital através da exploração de empreendimentos imobiliários focados em operações no segmento de logística.

Atualmente o fundo possui exposição nas regiões Sul, e Sudeste, com ativos localizados em Minas Gerais, São Paulo Rio de Janeiro e Espírito Santo.

FII RBR Properties (RBRP11)

O RBR Properties é um fundo hibrido que investe em diferentes tipos de imóveis, como lajes corporativas e galpões logísticos, em participações diretas ou indiretas (cotas de outros Fundos Imobiliários).

Além disso, outra parte da estratégia é investir em ativos de renda fixa (CRIs e LCIs), bem como aportar uma pequena parte do patrimônio em incorporações, buscando surfar o ciclo de expansão do mercado imobiliário.

Santander Renda de Aluguéis (SARE11)

O Santander Renda de Aluguéis tem como objetivo investir em imóveis comerciais, visando a obtenção de renda através da exploração de ativos localizados preferencialmente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

BTG Pactual Corporate Office Fund (BRCR11)

O BC Fund é um fundo de lajes corporativas que visa investir em edifícios de alto padrão construtivo denominados “AAA”, e localizadas nas principais regiões de negócios do Brasil.

A maior parte dos ativos que compõem a carteira do fundo está localizado no estado de São Paulo, porém, o fundo ainda possui participação no Rio de Janeiro.

O BTG acredita que mesmo nesse cenário de curto prazo desfavorável, o segmento de lajes corporativas atrelado à ativos premium deverá ter um bom desempenho nos próximos anos, em virtude do baixo nível de vacância dado o baixo nível de lançamentos previstos.

FII Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11)

O RCRB11 é um fundo de lajes corporativas que busca adquirir escritórios de alto padrão construtivos localizados nas principais regiões de negócios dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, como Avenida Paulista, Avenida Juscelino Kubitschek e a Vila Olímpia.

CSHG Real Estate FII (HGRE11)

O CSHG Real Estate FII tem como objetivo a aquisição de ativos imobiliários de perfil corporativo prontos ou em construção, localizados nas principais regiões do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre) visando obter renda através da sua exploração comercial, ou para posterior alienação.

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.