FII: quem aproveitar pode adquirir ativos a preços baixos, diz Fator

Osni Alves
Jornalista | osni.alves@euqueroinvestir.com
1

Crédito: FIIS: de 14 fundos imobiliários, sete deixaram de pagar dividendos, diz Fator

Quem souber fazer uma boa seleção de Fundos Imobiliários (FIIs) que consiga atravessar bem este momento de crise terá aproveitado a oportunidade de adquirir bons ativos a preços baixos.

Essa é a avaliação do estrategista de Investimentos do Private Banking do Fator Thiago Santucci, sobre o momento atual do mercado.

Analise quais ativos estão caros ou baratos com a Planilha de Fundos Imobiliários

Durante entrevista ao site Eu Quero Investir, ele ressaltou que o valor dos rendimentos dos FIIs seguirá atrativo, mesmo após a pandemia do Covid-19.

Isso por consequência do cenário de Selic baixa e com perspectiva de queda, mesmo com uma eventual revisão de yield destes fundos para baixo.

Veja abaixo os principais pontos da entrevista:

vila-olimpia

Qual é o panorama atual do mercado de FIIs?

O setor imobiliário, bem como a maioria dos setores da economia, tende a sofrer com os impactos da pandemia.

Fechamento de empresas e interrupção de negócios pode levar a um aumento de inadimplência, vacância e desaquecimento do mercado imobiliário.

Neste cenário, alguns aluguéis poderão ser renegociados a preços mais baixos e esses fatores acabam por impactar diretamente na distribuição dos rendimentos e, consequentemente, no valor de mercado dos FIIs.

Questões de mudança cultural nas empresas, decorrente da pandemia, com ampliação do modelo de home office, também impactam diretamente o segmento de lajes corporativas, então, podemos esperar uma revisão nas expectativas do setor.

É possível notar este momento de apreensão ao olharmos a variação do IFIX (índice de Fundos Imobiliários da Bovespa), que após forte baixa no mês de março, quando houve uma queda generalizada nos preços dos ativos, teve alguma recuperação em abril e vem apresentando pouca variação desde então. Ou seja, o apetite dos investidores por este tipo de ativo ainda é baixo dada as incertezas do setor.

Por outro lado, o valor dos rendimentos dos FIIs é atrativo em um cenário de Selic baixa e com perspectiva de queda, mesmo com uma eventual revisão de yield destes fundos para baixo.

Quem souber fazer uma boa seleção de ativos que consiga atravessar bem este momento de crise terá aproveitado a oportunidade de adquirir bons ativos a preços baixos.

Qual foi o efeito coronavírus na distribuição do rendimento dos FIIs?

No mercado de FIIs como um todo podemos observar que, até por cautela, tem havido uma menor distribuição de rendimentos, quando não a interrupção dos mesmos. O mercado está apreensivo sobre como a pandemia irá se desenrolar e quanto tempo poderá durar, calculando os impactos disso na carteira dos fundos.

As cotas continuam sendo pagas mensalmente ou houve impedimento?

Da amostra de 14 fundos que acompanhamos no mês de março, que foi quando os governos instituíram as restrições de circulação em shoppings, verificamos que dois deles não distribuíram rendimentos, número que aumentou para sete no mês de abril e assim se manteve em maio.

Os fundos que não deixaram de distribuir mensalmente rendimentos aos seus cotistas, em linhas gerais, reduziram o valor dos pagamentos.

As cotas de junho estão garantidas ou haverá algum fato relevante até lá?

A distribuição de rendimentos dos fundos imobiliários é garantida pela Lei nº 8.668/93, que assegura o mínimo de 95% do lucro auferido a ser distribuído semestralmente.

Diante deste cenário, o valor do lucro pode variar muito de um FII para outro, pois a interrupção da circulação nos shoppings pode ter levado tanto a uma redução no valor dos aluguéis dos lojistas quanto a uma postergação desses pagamentos.

Cada FII, baseado nos seus custos mensais, irá apurar se haverá lucro a ser distribuído em junho.

Temos que lembrar que os shoppings, mesmo fechados, continuam incorrendo em custos de manutenção, segurança e de serviços públicos.

Pode haver casos em que o valor que foi distribuído em 2020 já represente o mínimo de lucro exigido pela legislação.