FII Panamby (PABY11) reduz valor da cota após reavaliação de terrenos e recebíveis

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Reprodução / Canva - Prédios

A BRKB, administradora do Fundo de Investimento Imobiliário Panamby, informou em comunicado ao mercado que reavaliou os terrenos Setor 6A e Setor 8, de São Paulo, que fazem parte da carteira do Fundo, e provisionou seus valores integralmente. Também foram provisionados integralmente os valores de recebíveis de instrumentos particulares de Venda e Compra feitos com a Cyrela Vermont de Investimentos Imobiliários Ltda, em 2004, referente ao Setor 7, e com a Camargo Correa Desenvolvimento Imobiliário S.A, em 2006, referente aos Setores 1 e 6B.

Desta forma, em 31 de dezembro de 2019, o fundo registrou uma provisão de R$ 195,8 milhões, reduzindo o valor patrimonial da cota do FII Panamby de R$ 250,944197 para R$ 7,358314.

A empresa explica que as medidas são decorrentes da “deterioração das perspectivas de realização dos referidos terrenos e recebíveis”, em função das tentativas para aprovação dos projetos imobiliários junto aos órgãos municipais, sem ter resposta formal, até o momento, por parte da Prefeitura de São Paulo.

O comunicado diz ainda que os registros continuarão sendo reavaliados e se houver evidências do aumento no valor realizável líquido dos ativos, as provisões serão revertidas até o menor valor entre o valor do custo ou valor realizável líquido revisado.