FII de Hospitais: veja como funciona esse tipo de fundo imobiliário

Osni Alves
Jornalista (2007); Especializado em Comunicação Corporativa e RP (INPG, 2011); Extensão em Economia (UFRJ, 2013); Passou por redações de SC, RJ e BH (oalvesj@gmail.com).
1

Crédito: FIIS: conheça o Fundo de Investimento em Hospitais

O segmento de fundos de investimento imobiliário (FII) de hospitais não é muito conhecido nem difundido no Brasil.

Atualmente há no mercado brasileiro apenas quatro representantes, que têm gerados rentabilidades distintas aos investidores.

Basicamente, os FII de hospitais são donos de instalações físicas alugadas para operadoras de planos de saúde que instalam hospitais naquela edificação ou diretamente para os próprios hospitais.

Confira principais Ações para investir em Outubro

No geral, os contratos entre os Fundos Imobiliários de hospitais e os inquilinos são de natureza atípica, ou seja, de maior prazo que os contratos tradicionais, podendo chegar a 20 anos, e com multas mais pesadas no caso de rescisão.

Característica mono dos FIIs de Hospitais

Outra característica do fundo de hospitais é que ele, na maior parte das vezes, a gestão é passiva.

Isso porque o fundo tem um só imóvel alugado para um inquilino em um contrato longo, também chamado de mono imóvel e mono inquilino.

Conheça os Fundos Imobiliários para investir em Outubro

Assim, o trabalho do gestor é administrar o andamento deste único contrato até o final.

Essa característica de fundos de hospital faz com o investimento reserve poucas emoções ao investidor, pois o rendimento quase não oscila. E não há grande valorização patrimonial. Mas também, por outro lado, é considerado de maior risco, pois em caso de vacância ou inadimplência os repasses ficam comprometidos.

 

Hospital N.S. de Lourdes no Jabaquara, em São Paulo.

Hospital N.S. de Lourdes no Jabaquara, em São Paulo.

Perfil do investidor

Segundo especialistas, o fundo de hospitais é mais atrativo para investidores conservadores e moderados.

Entretanto, investidores agressivos também costumam ter uma parte de seus ativos em fundos de hospitais como forma de rebalanceamento de carteira.

EUA X Brasil

Ao contrário do Brasil, no EUA o mercado de investimento de imóveis para área de Saúde é bastante difundido. Lá as aplicações ocorrem por meio de REITs (Real Estate Investment Trust), que são empresas, e não fundos, que destinam recursos para construções dos empreendimentos ou atuam apenas na gestão.

 

Por lá, além portfolios mais robustos, há maior variedade. As REITs investem, além de hospitais, em edifícios para consultórios médicos e até construção de residências para idosos.

 

FII de Hospitais: conheça este tipo de fundo imobiliário

Os fundos de investimento imobiliário de hospitais têm rentabilidade diversa este ano

FIIs de hospitais disponíveis

No Brasil, há apenas quatro FIIs de hospitais. O desempenho do valor das cotas neste ano tem sido bem diverso, assim como a rentabilidade paga. Confira abaixo. Apenas o HUSC11 não faz parte do IFIX, índice da B3 formado por quase 120 fundos que mede o desempenho dessa carteira teórica.

HCRI11 – Hospital da Criança

Fundo responsável pela aquisição e locação do Hospital da Criança, hospital pediátrico, em São Paulo (SP).

  • Variação da cota em 2020 até o dia 30 de julho: -13%
  • Último rendimento pago: R$ 2,70 por cota
  • Valor da cota: R$ 427,00
  • Dividend yield: 0,64%

NSLU11 – Hospital Nossa Senhora de Lourdes

Fundo com o Hospital Nossa Senhora de Lurdes, em São Paulo (SP)

  • Variação da cota em 2020 até o dia 30 de julho: +8,26%
  • Último rendimento pago: R$ 3,93 por cota
  • Valor da cota: R$ 277,01
  • Dividend yield: 1,45%

NVHO11 – Novo Horizonte

Fundo do Hospital São Luiz, em São Paulo (SP)

  • Variação da cota em 2020 até o dia 30 de julho: +2,09%
  • Último rendimento pago: R$ 0,06 por cota
  • Valor da cota: R$ 13,40
  • Dividend yield: 0,49%

HUSC11 – Hospital Unimed Sul Capixaba

Fundo que construiu o Hospital Unimed Sul Capixaba, em Cachoeiro de Itapemirim (ES)

  • Variação da cota em 2020 até o dia 30 de julho: -9,31%
  • Último rendimento pago: R$ 0,59 por cota
  • Valor da cota: R$ 145,00
  • Dividend yield: 0,44%