FII de fundos: veja como funcionam esses fundos imobiliários tipo FOF

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Existe uma categoria especial de fundos imobiliários em que o objetivo não é exatamente negociar imóveis, mas sim compor um portfólio de vários fundos imobiliários. São os FOFs, ou seja, fundos de fundos imobiliários.

As opções são muitas, já que hoje há cerca de 30 FOFs listados na Bolsa de Valores. Este tipo de ativo por muitas vezes é considerado a porta de entrada dos investidores iniciantes, mas também muito usado por investidores mais experientes como forma de diversificação.

Diante de tantas opções, como escolher a melhor alternativa?

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Nesta matéria vamos explicar como funcionam os FOFs, quais fatores você deve analisar antes de comprar um ativo como este, as principais vantagens e desvantagens e também uma lista com o dividend yield de todos eles.

A definição de FOF

Os FOFs funcionam da mesma forma que outros fundos de investimentos: pessoas se reúnem com o objetivo de aplicar recursos em uma determinada classe de ativos.

Porém, diferente dos outros tipos de Fundos Imobiliários, os FOFs não têm como objetivo comprar e vender imóveis ou terrenos e lucrar com o aluguel mensal dos locatários.

O foco dos FOFs é obter lucro com a compra e venda de títulos de outros Fundos Imobiliários. Por isso eles são chamados de “found of founds”, ou seja, “fundo de fundos”. Assim, com apenas uma cota o investidor consegue ter um conjunto de ativos e obtém maior diversificação de sua carteira.

Há vários tipos de FOFs, como fundos de investimentos imobiliários, fundos multimercado, fundos de ações, etc. Aqui vamos focar apenas nos FOFs imobiliários.

 

Imóveis

FII de FOFs: investimento permite diversificação

 

Como funcionam?

Os FOFs são administrados por um gestor, que tem a responsabilidade de gerir o portfólio do fundo e decidir quais são as melhores opções de compra e venda.

Quando os investidores adquirem cotas de um FOF, os gestores usam esse dinheiro para comprar novas cotas de outros fundos. Assim, a carteira de um fundo de investimentos pode ter cotas em vários outros fundos.

Os FOFs devem obedecer a uma regra básica: os fundos que compõem sua carteira precisam ser da mesma categoria em que ele está inserido.

Importante notar que existem dois tipos de FOFs imobiliários. Há os que são listados na Bolsa de Valores e os que não estão listados e seguem a instrução 555 da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

A grande diferença é em relação aos dividendos. Assim como outros Fundos Imobiliários, os FOFs que estão na Bolsa devem distribuir pelo menos 95% dos lucros auferidos segundo o regime de caixa. Desta forma, os cotistas lucram mensalmente com os dividendos e ainda podem lucrar com a possível valorização das cotas.

Já os FOFs 555 reinvestem os dividendos dentro do próprio fundo. Mas eles têm como vantagem a tributação, já que os ganhos de capital realizados dentro do fundo são isentos de impostos. Assim, o gestor pode realocar ativos sem pagar IR a cada venda.

Vantagens dos FOFs

  • Gestão profissional: o investidor terá alguém qualificado e atento para gerir o portfólio do FOF. Bons gestores se preocupam em entregar maiores rentabilidades, beneficiando eles mesmo e os cotistas;
  • Diversificação: um FOF é a garantia de ter vários ativos realizando apenas uma compra. Eles têm 10, 20, 30 ou até mais fundos em carteira;
  • Baixo custo: a grande maioria dos FOFs custa hoje entre R$ 80 a R$ 100. Assim, é possível com uma cota a esse preço ter vários ativos em carteira devido à diversificação dos FOFs.

 

Desvantagens dos FOFs

  • Sem autonomia: por mais que ter um gestor profissional possa ser uma vantagem, é preciso ficar atento ao que ele está fazendo com o fundo. Gestores podem cometer erros e eles têm liberdade para comprar e vender ativos. Assim, você não tem poder de decisão sobre a carteira do fundo;
  • Taxa de administração: como outros fundos os FOFs têm taxas de administração e, às vezes, taxas de performance. Ou seja, se o fundo tiver uma determinada performance, o gestor receberá um percentual a mais. Outra desvantagem é a duplicidade de taxas. Como este fundo investe em outro fundo, o cotista pagará as taxas de administração/performance do FOF e do fundo investido por ele.

 

Análise e rentabilidade

Um grande balizador para analisar a rentabilidade de um FOF é o IFIX (Índice de Fundos Imobiliários). Em 2019, o índice acumulou alta de 36%, superando o Ibovespa, que teve 31,6% de alta.

Já o dividend yield, ou seja, quanto o fundo paga de dividendos percentualmente, é outro fator importante, mas não deve ser avaliado sozinho.

Lembre sempre de avaliar o histórico de gestão do fundo, as compras e vendas feitas nos últimos anos, que tipos de ativos o gestor colocou na carteira, o valor em caixa do fundo e a liquidez do FOF.

Confira abaixo dados dos FOFs:

Rentabilidade FOFs imobiliários