FII: BRIM11 adquire terreno; HGRE11 negocia venda de imóvel

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Unsplash

O FII Brio Real Estate II (BRIM11) comunicou que concluiu a aquisição de parte do terreno para desenvolvimento de projeto residencial de alto padrão denominado “Tumiaru”, situado na cidade de São Paulo.

O investimento total pelo Fundo foi de R$ 21,364 milhões, correspondente a 14,39% do capital total subscrito pelos cotistas.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Em decorrência da Transação, o Fundo fará jus ao recebimento de permuta física correspondente a aproximadamente 40% da área privativa total do empreendimento para comercialização de suas futuras unidades autônomas.

De acordo com o comunicado, com a transação, o Fundo passa a ter 98% do seu capital total comprometido em 12 projetos residenciais de médio-alto e alto padrão na cidade de São Paulo.

HGRE11

O Credit Suisse, administrador do FII CSHG Real Estate (HGRE11) comunicou que o Fundo submeteu para aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE uma operação de venda da totalidade do Edifício Verbo Divino, em São Paulo/SP.

Além de 20.099 Certificados de Potencial Adicional Construtivo (CEPACs) que estão vinculados ao terreno do Imóvel, para uma sociedade de propósito específico, subsidiária da empresa EZTEC.

O preço acordado de venda do Imóvel e CEPACs é de R$ 148,18 milhões.

A administradora ressalta que o CSHG Real Estate é um fundo de gestão ativa, com foco em imóveis corporativos, e tal desinvestimento está em linha com a estratégia de renovação do portfólio do Fundo.

BRCO11

O Oliveira Trust, administrador do FII Bresco Logística (BRCO11), informou que foram acordados os termos finais da rescisão antecipada da locação de 14.251,26m² do Bresco Itupeva Parque Corporativo pela locatária Bignardi.

Pelos termos acordados com a locatária, foi estabelecida a postergação da desocupação da área locada para 30 de setembro de 2020.

Referida locação representa 3,4% da receita mensal do Fundo, ou, aproximadamente, R$0,02 por cota.

Ainda segundo o comunicado, a gestora do Fundo já se encontra em tratativas com terceiros para a locação de referida área.

 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3