FIIs Athena I começam a ser negociados na B3 (B3SA3)

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: DReprodução / FII Athena I / Unitas

A B3 (B3SA3) informou nesta quinta-feira (4) que passa a negociar um novo fundo de investimento, o FII Athena I, “direcionado a investidores qualificados”.

“Com nome de pregão FII ATHENA I e código de negociação FATN11, o lote-padrão é de uma cota e a cotação será em R$ por unidade”, informa a B3.

Na 1ª emissão de cotas, encerrada em 8 de abril, foram subscritas 500 mil cotas, a R$ 100,00 por cota. O valor total da oferta ficou em R$ 50 milhões. Até 1º de junho, foram subscritas e integralizadas 438.730 cotas, comunica.

O FII Athena I

O fundo é administrado pela BR-Capital/Unitas. O tipo é Tijolo: Escritórios.

“Tem por objeto buscar proporcionar a seus cotistas a valorização e a rentabilidade de suas cotas no longo prazo, conforme a política de investimentos definida em regulamento, pelo investimento, direto ou indireto, em empreendimentos imobiliários, preferencialmente, mediante a aquisição de ativos, de direitos relativos a tais ativos ou, ainda, de participação societária em sociedades que detenham a titularidade de tais ativos ou direitos a eles referentes”, diz a nota da B3.

“Os ativos incluem terrenos, imóveis prontos, em fase de construção, sujeitos à construção, à realização de benfeitorias; e quaisquer outros ativos, bens imóveis; ações, debêntures, bônus de subscrição, seus cupons, direitos, recibos de subscrição e certificados de desdobramentos, certificados de depósito de valores mobiliários, cédulas de debêntures, cotas de fundos de investimento, notas promissórias, e quaisquer outros valores mobiliários, desde que se trate de emissores registrados na CVM e cujas atividades preponderantes sejam permitidas aos fundos de investimento imobiliário.

Além disso, ações ou cotas de sociedades cujo único propósito se enquadre entre as atividades permitidas aos FII; cotas de fundos de investimento em participações (FIP) que tenham como política de investimento, exclusivamente, atividades permitidas aos Fundos Imobiliários ou de fundos de investimento em ações que sejam setoriais e que invistam exclusivamente em construção civil ou no mercado imobiliário.

Ainda: certificados de potencial adicional de construção; cotas de outros FII; certificados de recebíveis imobiliários e cotas de fundos de investimento em direitos creditórios (FIDC) que tenham como política de investimento, exclusivamente, atividades permitidas aos FII e desde que estes certificados e cotas tenham sido objeto de oferta pública registrada na CVM ou cujo registro tenha sido dispensado nos termos da regulamentação em vigor; letras hipotecárias; letras de crédito imobiliário; e letras imobiliárias garantidas.”

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo.