FGV: Confiança de Serviços e Comércio têm maiores índices dos últimos anos

Matheus Gagliano
Jornalista formado em 2007. Possui mais de 15 anos de experiência em jornalismo econômico e corporativo. Passou por veículos especializados como Brasil Energia e Canal Energia e pelo Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro. Além de passagens por veículos como Record TV do Rio, jornal O Dia e Diário Lance.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vagas (FGV), divulgou que a confiança do setor de serviços registrou o maior nível desde 2014. Já o comércio, tem o maior patamar desde 2019. As pesquisas foram divulgadas nesta quinta-feira (29).

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), subiu para 98,0 pontos em julho. Este é o maior nível desde março de 2014 (98,3 pontos). Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 5,4 pontos, terceira alta seguida.

Já o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) passou para para 101,0 pontos, nível mais alto desde janeiro de 2019 (102,3 pontos). Em médias móveis trimestrais, o indicador subiu 5,6 pontos, registrando a terceira alta consecutiva.

FGV: Serviços tem alta pelo quarto mês consecutivo

Rodolpho Tobler, Coordenador da Sondagem do Comércio do FGV/Ibre, explicou que a aceleração da vacinação, o recrudescimento da pandemia e a flexibilização de algumas restrições têm impacto positivo.

O resultado do ICS foi influenciado principalmente pelo Índice de Expectativas (IE-S) que subiu 6,5 pontos, para 105,6 pontos. Este é o maior nível desde novembro de 2012 (106,2 pontos).

FGV

Já o Índice de Situação Atual (ISA-S) subiu 1,7 ponto, para 90,4 pontos, patamar idêntico ao de fevereiro de 2020, nível pré-pandemia.

De acordo com a pesquisa, a melhora recente tem sido disseminada em todos os grandes segmentos. Mas é possível notar que tem sido mais forte nos segmentos que mais sofreram em 2020.

Comércio: empresários observam melhora nas vendas

Já com relação ao comércio, o Coordenador da Sondagem do Comércio do instituto informou que empresários do setor continuam observando melhora no ritmo de vendas.

No entanto, a manutenção dos resultados positivos depende do avanço na vacinação e da melhora da confiança dos consumidores. Um cenário que ainda contém riscos e que precisa melhorar é o mercado de trabalho, reforçou ele.

FGV

Em julho, a confiança avançou em todos os seis principais segmentos do Comércio. Foi influenciada pela melhora tanto da percepção com o momento presente quanto das expectativas.

O Índice de Situação Atual (ISA-COM) subiu 4,5 pontos para 108,7 pontos, maior valor desde dezembro de 2010 (110,2 pontos).

Já o Índice de Expectativas (IE-COM) aumentou 5,6 pontos para 93,2 pontos, recuperando a perda do mês anterior.