FGV: Indicador antecedente da economia sobe 1,2% em setembro

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)
1

Crédito: Divulgação

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (Iace), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), teve alta de 1,2% em setembro deste ano.

Com isso, o indicador chegou a 121,9 pontos, 1,9 ponto acima de fevereiro — ou seja, do período pré-pandemia no Brasil.

Tendências da economia

O indicador, que acumula alta de 8,6% em seis meses, busca antecipar tendências da economia do país com base em oito componentes, informa a Agência Brasil.

São eles: taxa referencial de swaps DI pré-fixada – 360 dias (do Banco Central), Ibovespa, Índice de produção física de bens de consumo duráveis (do IBGE), índices de termos de troca e de quantum de exportações (ambos da Funcex).

Além deles, há os índices de expectativas da indústria, serviços e consumidor (da FGV).

Já o Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mensura as condições econômicas atuais, ficou estável em 103,9 pontos, no mesmo período. Em seis meses, o indicador acumula alta de 1,8%.

Retomada

“O balanço de riscos entre saúde e produção vem se deslocando no sentido favorável à continuidade da retomada econômica, como claramente refletido nos componentes do IACE ligados a expectativas.”, segundo Paulo Picchetti do FGV IBRE.

“O desempenho do ICCE nos últimos meses mostra que o pior ficou para trás, mas que o aumento de ritmo da retomada ainda está mais presente nas expectativas do que nos indicadores atuais.”, diz Picchetti.

O Indicador Antecedente Composto da Economia agrega oito componentes econômicos que medem a atividade econômica no Brasil.

Cada um deles vem se mostrando individualmente eficiente em antecipar tendências econômicas.

A agregação dos indicadores individuais em um índice composto filtra os chamados “ruídos”, colaborando para que a tendência econômica efetiva seja revelada.

PIX pode reduzir uso de dinheiro em espécie no Brasil, diz UBS

LFTs retomam desempenho positivo, mas risco segue

*Com Agência Brasil