Fundo Garantidor de Crédito: isso interessa a você

Humberto Maurício Pennacchia
null
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

Você já ouviu falar do  FGC? Sabe qual a importância que essa sigla têm para a saúde do seu dinheiro? Se a resposta a essas duas perguntas for negativa, relaxe. Nas linhas abaixo, explicaremos tudo o que você deve saber a respeito do FGC.

O que significa FGC?

FGC significa Fundo Garantidor de Créditos.

Quando o FGC foi criado?

Desde 1995 o Brasil conta com uma entidade privada, que não tem fins lucrativos, cuja finalidade é garantir aos correntistas, poupadores e investidores, em caso de problemas na saúde financeira do seu banco, o seu dinheiro de volta até o limite máximo de R$ 250.000,00.

O que é o FGC?

O Fundo Garantidor de Créditos não é um banco nem um órgão governamental. Tecnicamente ele é uma entidade privada, sem fins lucrativos.

Quem mantêm o FGC?

Ele é mantido pelas instituições financeiras através de contribuições mensais de 0,0125% sobre todo o dinheiro que os seus investidores possuem aplicado.

Como essas contribuições são feitas?

Essas contribuições são feitas diretamente pela instituição financeira associada, e não há nenhum tipo de cobrança direta do investidor para que ele tenha proteção do FGC. Esse dinheiro, por sua vez, é mantido pelo fundo e serve três funções principais:

  1. Proteger correntistas e investidores no âmbito do sistema financeiro, até os limites estabelecidos pela regulamentação;
  2. Contribuir para a manutenção da estabilidade do Sistema Financeiro Nacional;
  3. Contribuir para a prevenção de crise bancária sistêmica.

Na eventualidade da quebra de um banco o FGC tem o dever de cobrir os depósitos e investimentos realizados no banco dentro dos limites estabelecidos. Além disso, se for necessário emprestar algum dinheiro a um banco para que ele não quebre por falta de liquidez, o FGC também estará lá para agir.

Esse mecanismo é uma exclusividade do Brasil?

Esse mecanismo não é exclusividade do Brasil, mais de 100 países já possuem o mesmo sistema, que é uma forma de dar estabilidade ao sistema financeiro e tranquilidade ao investidor. É importante ressaltar que, em caso de quebra de um determinado banco ou conglomerado financeiro, as pessoas  que estão com seu dinheiro nessa instituição, terão seu capital de volta ate o limite máximo indicado acima. O FGC garante investimentos e aplicações de clientes cujos bancos ou conglomerados financeiros estejam associados a ele.

Quais modalidades de investimentos o FGC cobre?

Poupança,  CDB, Conta Corrente, Letras de Crédito Imobiliário, Letras de Câmbio, Letras de Crédito do Agronegócio, dentre outras.

Quais modalidades o FGC não cobre?

O FGC não cobre: Tesouro Direto, Fundos de Previdência, Ações, Fundos de Investimentos, Capitalização, Debêntures,  dentre outros.

Quais são as instituições associadas do FGC:

É importante ressaltar que as instituições associadas do FGC são: Caixa Econômica Federal, Bancos Múltiplos, Bancos Comerciais, Bancos de Investimentos, Bancos de Desenvolvimento, Sociedades de Crédito, dentre outras. Antes de investir seu dinheiro, investigue se o seu banco ou conglomerado financeiro conta com o seguro do FGC.