Dia do Trabalhador reúne rivais políticos de Bolsonaro

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Youtube

As principais centrais sindicais celebraram de forma virtual o Dia do Trabalhador, nesta sexta-feira (1). A comemoração foi on-line devido a pandemia de coronavírus.

A live contou com a presença de ex-presidente Lula, Dilma, Fernando Henrique Cardoso, Ciro Gomes, Flávio Dino, Marina Silva, Fernando Haddad e Rodrigo Maia. Além dos políticos, participaram artistas, líderes sindicais e entidades civis.

Fernando Henrique disse durante a live que momento de todos se unirem para enfrentar a pandemia e o desemprego. “Não é hora de nós nos desunirmos, é hora de nos juntarmos porque temos que construir o futuro”.

Na mesma linha que FHC, Lula começou pedindo união para enfrentar os desafios. “Estamos vivendo os dias mais tenebrosos da nossa história. O vírus ataca a todos indistintamente” disse Lula. “Depois da tragédia do Coronavírus, o coletivo haverá de triunfar sobre o individual. Um novo mundo em que ninguém explora o trabalhador”.

O ex-presidente também mencionou o deboche feito por Bolsonaro em relação aos 5 mil brasileiros mortos pelo coronavírus.

“Se o presidente despreza a vida … nossa busca determinada por mudanças mostrará a ele que o povo brasileiro vai impor sua vontade e retomar o caminho da justiça social e do desenvolvimento do país”, declarou Dilma.

Lula ainda afirmou “o que sustenta o capitalismo não é o capital, somo nós os trabalhadores. Essa é a verdade. Nossa velha conhecida.”

Ciro Gomes afirmou que espera que a população brasileira lute por seus direitos. “Desejo que esse primeiro de maio, apesar de tanta aflição e angústia, ajude a levantar o nosso povo brasileiro e que possamos ser capazes de reorganizar a luta para lutar por nossos direitos”.

LEIA MAIS

Moro acusa PGR de intimidação; Aras diz que não aceita manipulação

Bolsonaro volta a defender retorno dos brasileiros ao trabalho