Fenabrave: outubro fecha com alta de 1,42% em emplacamentos

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) revelou que o mês de outubro foi o melhor do ano em emplacamentos de veículos.

Segundo o órgão, o período apresentou alta de 1,42% em relação ao mês anterior, considerados todos os tipos de veículos (autos, comerciais leves, caminhões, ônibus, motos e outros).

No total, conforme mostra a tabela abaixo, foram emplacados 332.888 veículos novos, contra 328.221 registrados no mês de setembro.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Fenabrave

Na comparação com outubro do ano passado, no entanto, houve queda de 9,44%, já que, no mesmo mês de 2019, foram emplacados 367.599 veículos novos.

Fenabrave comemora recuperação do setor

De acordo com os dados divulgados pela própria Federação Nacional de Distribuidores, outubro foi o sexto mês consecutivo em que as vendas de veículos apresentaram alta.

Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave, comemorou, por meio de nota oficial distribuída aos veículos de comunicação, a recuperação do setor.

“O mercado vem, gradativamente, retomando bons patamares de venda. Notamos que os clientes estão mais confiantes e tomando a decisão de compra, que é facilitada pela maior oferta de crédito”, comentou o executivo.

Na soma dos 10 primeiros meses de 2020, as vendas alcançaram um total de 2.465.396 emplacamentos.

Mesmo com as seis altas consecutivas, o número ainda é menor quando comparado aos registrados entre janeiro e outubro do ano passado.

No período em questão, foram comercializados 3.319.946 veículos, número 25,74% superior aos de 2020.

Segundo o presidente da Fenabrave, parte dessa defasagem se deve à queda de 16,12% nos emplacamentos de caminhões em relação a outubro do ano passado, mesmo com alta de 7,76% no comparativo com setembro.

“O mercado de caminhões continua aquecido, mas a falta de componentes ainda causa problemas na produção. Por esse motivo, já estamos operando com pedidos até para abril de 2021, em alguns modelos”, concluiu.

Vem aí a Money Week, maior evento de Investimentos da América Latina. Inscreva-se