Fed de Chicago indica forte contração da economia

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Federal Reserve (Fed) de Chicago publicou nesta segunda-feira (20) seu Índice de Atividade Nacional (CFNAI na sigla em inglês).

O estudo aponta que a economia norte-americana contraiu para –4,19 em março, ante +0,06 em fevereiro.

O resultado reflete os efeitos da crise decorrente da pandemia de coronavírus, com as medidas de isolamento social fechando fábricas e comércios e o consumo tendo uma queda significativa.

Todas as quatro grandes categorias de indicadores usadas para construir o índice fizeram contribuições negativas em março.

Recessão à vista

A média móvel de três meses do índice caiu para -1,47 em março. Era de -0,20 em fevereiro. Valores abaixo de -0,70 são, historicamente, associados a períodos de recessão.

O Índice de Difusão CFNAI, que captura o grau em que uma mudança se espalha entre os 85 indicadores que compõem o índice, caiu de -0,21 em fevereiro para -0,32 em março.

O que é o Índice de Atividade Nacional do Fed?

O índice é uma média ponderada de 85 indicadores de crescimento da atividade econômica nacional, extraídos de quatro grandes categorias de dados: produção e renda; emprego, desemprego e horas; consumo pessoal e moradia; e vendas, pedidos e estoques.

Os indicadores relacionados à produção contribuíram com -2,72 para o CFNAI em março, ante +0,06 em fevereiro.

A produção industrial diminuiu 5,4% em março, depois de aumentar 0,5% em fevereiro.

Vendas, pedidos e estoques subiram para -0,05 em março, ante -0,06 de fevereiro.

Os indicadores relacionados ao emprego contribuíram com 1,23, ante +0,07 em fevereiro. O payroll (folha de pagamento de trabalharores não-agrícolas dos EUA) perdeu 701 mil vagas em março.

A taxa de desemprego aumentou para 3,5% no último mês, ante 3,5% em fevereiro.

A contribuição da categoria de consumo pessoal e habitação diminuiu de -0,02 em fevereiro para –0,19 em março. O número de habitações diminuiu para 1,216 milhão em março, de 1,564 milhão no mês anterior.

Meses anteriores foram revisados

O valor do índice do Fed de fevereiro foi revisado para +0,06. O resultado divulgado anteriormente era de +0,16.

O índice de janeiro também foi revisado, de -0,33 para -0,27.

Isto acontece por conta da consolidação dos indicadores após a divulgação do CFNAI, explica o Fed.

Fed