FecomercioSP aponta alta no varejo em junho ante mesmo mês de 2019

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de São Paulo (FecomercioSP) apontou melhora do varejo em junho de 2020.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

De acordo com o órgão, as vendas registraram alta de 2,8% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

O “responsável” por essa melhora, de acordo com a FecomercioSP, foi o relaxamento gradual do isolamento social e a consequente reabertura do comércio no Estado.

Depois de dois meses com baixas consecutivas na comparação interanual (abril e maio), a alta ajudou a elevação do agregado dos últimos 12 meses, que somou 1,8%.

Faturamento do semestre segue abaixo, segundo FecomercioSP

Apesar da boa melhora com a reabertura do comércio, o saldo do primeiro semestre fechou no negativo na comparação com 2019.

Aumente seus ganhos. Consulte nossa Planilha de Monitoramento de Carteira

Entre janeiro e junho, o faturamento foi R$ 11,7 bilhões inferior (3,3%) ao do mesmo período do ano passado.

O faturamento de junho, mês em que a recuperação teve início, foi de R$ 61,1 bilhões, R$ 1,677 milhão acima do mesmo mês de 2019.

Setores em alta e em queda

A pesquisa da FecomercioSP mostrou que, dos nove setores pesquisados, seis apresentaram alta em junho.

Os principais destaques ficaram para eletrodomésticos e eletrônicos (39,6%) e supermercados (16,3%).

As baixas, por sua vez, foram registradas nos segmentos de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-33,6%), concessionárias de veículos (-20,4%) e outras atividades (-12,1%).

Segundo o órgão, a indefinição sobre o retorno de festas e eventos é o que mais afeta o setor de vestuário.

A expectativa é que esse segmento feche 2029 com 19,5% de déficit em relação ao ano passado, com prejuízo estimado em mais de R$ 11 bilhões no período.

Planilha de Açõesbaixe e faça sua análise para investir