Fecomercio-SP: varejo deve ter prejuízo de R$ 19 bi no Dia dos Namorados

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Cruzeiro do Vale

A expectativa do comércio paulista com relação às vendas no Dia dos Namorados é de que, neste ano, deverá apurar um prejuízo de R$ 19 bilhões.

Queda de 20%

Com base nessa previsão, a Federação do Comércio do  Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) estima uma queda de até 20% nas vendas do estado o primeiro semestre deste ano.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Intenção de consumo em baixa

Não bastasse isso, a atividade comercial também fica prejudicada, em razão das restrições estabelecidas pelas autoridades para o funcionamento do comércio e por indicadores de baixa intenção de consumo das famílias, nesse período.

Suspensão total

Segundo a entidade, essa retração decorre, sobretudo, da suspensão total das atividades comerciais nos meses de março, abril e maio.

Reabertura ineficaz

Nem mesmo a reabertura gradual das atividades do setor, anunciada pelo governo Dória, será suficiente para impedir um recuo de 33% do comércio varejista do estado, nesse mês, no comparativo com junho do ano passado.

Retomada muito lenta

A conclusão da entidade é de que a retomada deverá ocorrer de forma muito lenta

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Tombo de 67%

Entre os segmentos comerciais, a pior queda coube ao de vestuário – geralmente com melhor desempenho na data – que deve registrar um tombo de 67% nas vendas e um prejuízo de até R$ 3,5 bilhões.

Se considerado o acumulado do ano, a retração chega a 44%, já incluindo o resultado adverso do Dia das Mães.

‘Pior resultado da história’

A conclusão da FecomercioSP é de que 2020 ficará marcado como o de ‘pior desempenho para o comércio paulista na história’, mas sem arriscar números, ainda.

Renda encolheu

De acordo com a federação, contribui muito para esse cenário negativo no ano, devido ao ‘encolhimento’ da renda das famílias, seja pelo desemprego, seja pelo endividamento.

Gastos essenciais

Em consequência, o consumidor teve de limitar seus gastos a produtos essenciais, como alimentos e remédios, a exemplo do que ocorreu no biênio 2015/2016.

Estrutura debilitada

Do outro lado do balcão, a situação não é muito diferente.

Debilitada, a estrutura do comércio já opera com redução de funcionários, baixa liquidez e estoques inadequados.

Federação recomenda

Devido a tantos problemas, a FecomercioSP recomenda aos empresários a buscarem alternativas para manter a liquidez e o fluxo de caixa “com rigor”, a fim de evitar o aumento do endividamento.

Margens apertadas

A orientação da entidade é que seja feito um levantamento de estoque, sejam comprimidas as margens de lucro e oferecidas promoções.

Apelo à união

Além de enfatizar “a necessidade de união entre os comerciantes”, a federação sugere que eles compartilhem mailings, prefiram mercadorias por consignação e façam encomendas conjuntas com os fornecedores, a fim de obter preços mais atrativos.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir