Falta de chuva em dezembro faz estimativa de soja 2020/21 cair, segundo StoneX

Karin Barros
Jornalista com atuação nos dois principais jornais impressos da Grande Florianópolis por quase 10 anos. Costumo dizer que sou viciada em informação, por isso me encantei com a economia, que une tudo de alguma forma sempre. Atualmente também vivo intensamente o mundo da assessoria de imprensa e do PR.

Crédito: Freepik

Mesmo com o baixo volume de chuvas no começo de dezembro, a produção brasileira de soja deve alcançar 132,6 milhões de toneladas na safra 2020/21.

A estimativa é da consultoria StoneX em divulgação à Reuters nesta quarta-feira (20).

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Com queda ante as 133,9 milhões de toneladas projetadas no mês anterior, mas ainda é um recorde para a temporada.

“O Mato Grosso passou por um considerável período com baixos volumes de precipitação no início de dezembro”, disse em nota o analista de inteligência de mercado da StoneX, João Pedro Lopes.

Expectativas favoráveis

No Brasil como um todo, por outro lado, a segunda quinzena de dezembro recebeu boas chuvas e as previsões indicam que o clima deverá continuar favorável ao cultivo da soja, acrescentou.

“Desse modo, as expectativas ainda apontam para uma boa temporada nas principais regiões produtoras e para uma safra recorde no país”.

A área plantada com a oleaginosa teve um ligeiro ajuste, para 38,292 milhões de hectares, de 38,317 milhões anteriormente.

A projeção da consultoria para a produtividade média da safra 2020/21 no Brasil também teve corte, de 3,49 para 3,46 toneladas por hectare.

No entanto, a estimativa ainda supera o rendimento de 3,37 toneladas por hectare visto no ciclo anterior.
Maior produtor global de soja

De acordo com a StoneX, o país, maior produtor e exportador global de soja, colheu 124,53 milhões de toneladas em 2019/20, em uma área de 36,9 milhões de hectares.

Produção de milho

Em relação ao milho, a consultoria manteve estáveis as projeções de produção na temporada 2020/21 em relação ao levantamento de dezembro, tanto para a primeira quanto para a segunda safra.

“O clima na região Sul do Brasil esteve seco pela falta de chuvas, o que afetou a produtividade local, especialmente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Entretanto, as chuvas voltaram nas últimas semanas de dezembro, o que tende a reduzir os efeitos negativos na safra de verão”, afirmou, sobre o cultivo de verão.

A produção da primeira safra do cereal está estimada em 25,32 milhões de toneladas, 3,2% a menos que no ciclo 2019/20.

Na “safrinha”, a StoneX estima que serão produzidas 82,4 milhões de toneladas da oleaginosa, um volume 10,8% acima do que foi produzido no mesmo período de 2019/20, configurando um recorde nacional.

“Questões relativas à demanda – como relações comerciais com a China e restrições do mercado argentino – podem trazer alterações nos números”, alertou a consultoria sobre a segunda safra.

Até o momento, a produção total de milho no ciclo 2020/21 pode chega perto de 110 milhões de toneladas, abrindo a possibilidade de estoques finais maiores, estimados em 13,8 milhões de toneladas, acrescentou a StoneX.

Vem ai! Money Week

Aprenda a investir com quem realmente entende do mercado