Facebook investe US$ 5,7 bilhões na Jio Platforms

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Arte / EQI

O Facebook vai investir US$ 5,7 bilhões na participação no braço digital da Reliance Industries, a Jio, operadora móvel número um na Índia em termos de receita e base de assinantes, com sede em Nova Bombaim. É o maior investimento da rede social desde a aquisição do Whatsapp, em 2014, por US$ 22 bilhões.

A Jio Platforms foi fundada pelo bilionário Mukesh Ambani, o homem mais rico do país asiático. A compra do Facebook equivale a 9,99% da empresa indiana. É tido como o maior investimento estratégico para compra de uma pequena parcela de uma empresa de tecnologia já feita no mundo.

O investimento fará com que o Facebook tenha mais presença na Índia.

“Esse investimento ressalta nosso compromisso com a Índia e nossa empolgação pela transformação dramática que Jio provocou no país”, disse o Facebook em um post de terça-feira.

Território fundamental

A Índia é fundamental para o WhatsApp, que tem mais de 400 milhões de usuários no país.

O Facebook disse que trabalhará com Jio para criar “novas formas eficazes de pessoas e empresas operarem na crescente economia digital”.

É uma declaração bastante vaga, mas inclui basicamente reunir o JioMart, plataforma para pequenas empresas da Jio, e o WhatsApp para conectar pessoas a empresas e lojas. Vale ressaltar que o Facebook está se preparando para lançar um recurso de pagamentos para o WhatsApp na Índia.

O investimento pode ser fundamental por incluir o acesso à base de mais de 380 milhões de usuários da Jio Platforms, além de contar com o apoio de Ambani, que tem forte influência política no país.

Mukesh Ambani chamou o acordo de “um grande catalisador” para tornar a Índia a principal sociedade digital do mundo.

Ele também disse que a visão da empresa está alinhada com o sonho do primeiro-ministro Narendra Modi de uma “Índia digital” e entregar “facilidade de vida” para todos os indianos.

LEIA MAIS
Valor da publicidade no Facebook cai com a crise do coronavírus

Facebook e Google devem perder US$ 44 bi em receitas por causa da pandemia