Exxon Mobil (EXXO34) registra prejuízo de US$ 22 bilhões em 2020

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

O prejuízo líquido de 2020 da Exxon Mobil ((EXXO34) ficou em US$ 22,44 bilhões em 2020. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (2) pela maior produtora de petróleo dos EUA.

Os impactos da crise da Covid-19 foram sentidos fortemente pela empresa. No ano anterior, a Exxon havia registrado um lucro anual de US$ 14,34 bilhões em 2019.

Sequência de perdas

Somente no 4TRI20 houve um prejuízo líquido de US$ 20,2 bilhões. Foi o quarto trimestre consecutivo de perdas enquanto a gigante da energia enfrenta o impacto da pandemia na indústria petrolífera.

A Exxon afirmou ainda que ganhou 0,03 centavos por ação durante o quarto trimestre, o que foi acima do lucro de 0,01 centavo esperado pelos analistas.

Mas receita da empresa ficou abaixo das expectativas em US$ 46,54 bilhões.

Exxon demitiu e cortou investimentos

Para tentar driblar a crise, a Exxon demitiu 15% de seus funcionários e reduziu em um terço investimentos em novos projetos de petróleo e gás após ter admitido que os preços da commodity poderiam permanecer abaixo de US$ 60 o barril por anos.

A produção de petróleo e gás da companhia somou 3,7 milhões de barris de petróleo e gás por dia no quarto trimestre. Ou seja, uma queda de 8% na comparação anual.

“O ano passado apresentou as condições de mercado mais desafiadoras que a Exxon Mobil já experimentou”, disse o presidente e CEO Darren Woods em um comunicado. Ele afirmou que as medidas agressivas de corte de custos da empresa devem gerar economias de despesas estruturais de US$ 6 bilhões por ano até 2023.

As ações da Exxon subiram 9% este ano, mas caíram 27% nos últimos 12 meses.

Por fim, o CEO da Exxon afirmou que continua focado “em aumentar o valor de longo prazo para nossos acionistas, investindo em nossos ativos de maior retorno, preservando a solidez do balanço e pagando um dividendo confiável”.