Exportações despencam entre países da América Latina na pandemia

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Foto: exportações agronegócio

A Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal) informou que as exportações despencaram entre os países da América Latina durante a pandemia.

De acordo com o órgão, o valor diminuiu em 13% no comparativo com o mesmo período do ano anterior. As importações, por sua vez, caíram 20%.

A contração é menor do que as projeções de agosto do ano passado, que era de 23%. Mesmo assim, é a pior queda registrada em exportações desde 2008/2009.

“A região se ‘desintegra’ comercial e produtivamente desde meados da década passada, coincidindo com seu menor crescimento em sete décadas”, disse Alicia Bárcena, secretária-geral da Cepal.

“Isso é muito preocupante, porque o comércio intrarregional é o mais propício à diversificação de produtos, internacionalização de empresas (especialmente PMEs) e igualdade de gênero”, complementou.

O impacto do coronavírus na América Latina

De acordo com os dados mais recentes, já são 17 milhões de infectados e mais de 550.000 mortos pelo novo coronavírus nos países da região da América Latina e Caribe.

De acordo com a Cepal, as projeções para 2021 são de uma recuperação lenta.

Segundo o órgão, as exportações crescerão entre 10% e 15% sobre 2020.

Bárcena avisou, no entanto, que considera que a onda de surtos da doença na região criou uma “incerteza” sobre o que realmente acontecerá no comércio externo em 2021.