Exportações de carne bovina crescem 12% em abril, diz Abrafrigo

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Site Campo e Negócios

Apesar do recuo de 1%, em volume físico exportado, em abril deste ano (135.587 toneladas), comparado com igual mês de 2019 (137.606 toneladas), as exportações de carne bovina (in natura + processada) aumentaram 12%, no mesmo comparativo – de R$ 516 milhões para U$ 577,3 milhões.

As informações foram divulgadas pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), ao levar em conta os dados globais divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Secex/MDIC)

Saldo positivo

A associação revelou, também, que nos quatro primeiros meses deste ano, as exportações acumularam saldo positivo de US$ 2,4 bilhões, para um volume de 543.881 toneladas.

Desempenhos distintos

A continuar nesse ritmo, a Abrafrigo prevê que as exportações brasileiras de carne (em volume físico) deverão apresentar crescimento modesto no comparativo 2020/2019.

As receitas, no entanto, poderão ser superiores a 10%.

Fator China

Para esse resultado, contribuíram decisivamente as importações da China (incluindo Hong Kong) – com 53,7% da movimentação brasileira do produto – cuja trajetória vem sendo ascendente desde dezembro de 2019, quando cravou um recorde superior a 120 mil toneladas.

Viés de alta

A sequência está assim disposta ao longo do ano: janeiro (73.317 toneladas), fevereiro (62.641 toneladas); março (75.275 toneladas) e abril (80.056 toneladas).

Movimentação negativa

O estudo aponta, ainda, que entre os 20 maiores clientes do país, a movimentação negativa coube a importadores, como o Chile (-14,3%), Egito (-44,1%), Emirados Árabes (-57,8%), Rússia,  (+42,8%) e Arábia Saudita (+57,8%).

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Com provável Selic a 2,25%, como ficam os investimentos?

Desmistificando o COE: interesse pelo produto cresce mais a cada dia