EUA têm déficit de US$ 44,4 bi em bens e serviços

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A balança comercial de bens e serviços dos Estados Unidos registrou um déficit de US$ 44,40 bilhões em março.

O valor é US$ 4,6 bilhões superior ao registrado em fevereiro (quando era de US$ 39,80 bi). No entanto, veio em linha com o aguardado pelo mercado, que apostava em US$ 44 bi de déficit.

O resultado foi divulgado nesta terça-feira (5) pelo Census Bureau e Bureau of Economic Analysis.
Em março, as exportações foram de US$ 187,7 bilhões. O valor é US$ 20 bilhões mais baixo do que o registrado no mês anterior.

As importações somaram US $ 232,2 bilhões, US$ 15,4 bilhões a menos do que fevereiro. De acordo com a Bloomberg, é o pior resultado das importações de bens e serviços em 11 anos.

bens e serviços

bens e serviços

Coronavírus explica aumento do déficit

De acordo com o relatório, as quedas nas exportações e nas importações se devem à crise do coronavírus. Isto porque muitas empresas operaram com capacidade limitada em março ou foram fechadas devido às medidas de isolamento social para a contenção da pandemia.

A queda nas viagens e no turismo internacional também justifica grande parte das reduções nas exportações e importações.

No acumulado do ano, o déficit de bens e serviços diminuiu US$ 28,1 bilhões, ou 17,8%, em relação ao mesmo período de 2019. As exportações diminuíram US$ 21,7 bilhões ou 3,5%. As importações diminuíram US$ 49,7 bilhões, ou 6,4%.

O déficit médio de bens e serviços diminuiu US$ 1,4 bilhão, para US$ 43,2 bilhões, nos três meses findos em março.

Leia também: EUA ultrapassam 30 milhões de desempregados na crise
Prévia do PIB dos EUA aponta queda de 4,8%