EUA: preço ao produtor tem baixa histórica em abril

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Índice de Preços ao Produtor (IPP ou PPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos apresentou uma queda de 1,3% (com ajuste sazonal) em abril, ante -0,2% em março.

Esta é a maior baixa histórica do IPP, que começou a ser calculado em dezembro de 2009.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (13) pelo Bureau of Labor Statistics.

Os analistas consultados pela Dow Jones esperavam uma queda de 0,5%.

Na análise dos últimos 12 meses, sem ajuste sazonal, o índice caiu 1,2%. É o maior declínio desde novembro de 2015, quando teve queda de 1,3%.

Segundo o relatório, 80% da queda do IPP pode ser explicada pela redução nos preços dos bens de consumo.

O núcleo do IPP, que exclui alimentos in natura e combustíveis, teve queda de 0,3% em abril.

IPP

Entenda o índice

O Índice de Preços ao Produtor aponta a variação de preços recebidos pelos produtores nacionais de bens e serviços. Ele é calculado a partir da perspectiva do vendedor.

Preços ao consumidor

Ontem, o Bureau of Labor Statistics divulgou o Índice de Preços ao Consumidor (IPC ou PCI, na sigla em inglês). O indicador caiu 0,8% em abril. Esta foi a maior queda mensal desde dezembro de 2008.

A maior contribuição para a queda do indicador foi o item gasolina, com declínio de 20,6%.

Também registraram quedas acentuadas os itens vestuário, seguro de veículos, passagens aéreas e hospedagem fora de casa.
Já os alimentos registraram alta. Os itens para consumo dentro de casa tiveram seu maior aumento mensal (2,6%) desde fevereiro de 1974.

Leia também:

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

EUA registram mais alta taxa de desemprego
Prévia do PIB dos EUA aponta queda de 4,8% no primeiro trimestre