PMI industrial nos EUA: resultado vem acima do esperado em junho

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Índice dos Gerentes de Compras (PMI na sigla em inglês) dos EUA veio acima do esperado em junho. A leitura foi de 49,8 pontos, quando as estimativas do mercado indicavam 49,6. Em maio, o indicador marcava 39,8 pontos.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (1) pelo instituto IHS Markit. Resultados de PMI acima de 50 pontos indicam aquecimento da atividade econômica, enquanto resultados inferiores indicam retração.

Chris Williamson, economista-chefe de negócios do IHS, afirmou no relatório que os fabricantes dos EUA entrevistados na pesquisa relataram uma recuperação acentuada nas condições de negócios até o segundo trimestre.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

O colapso da produção, registrado na mínima recorde de abril, auge das medidas de isolamento social no combate ao coronavírus, retornaram rapidamente para a estabilização em junho.

“Além do aumento recorde de 10 pontos em junho, houve ganhos sem precedentes nos resultados da pesquisa para emprego e novos pedidos”, afirmou.

Uma recuperação recorde nas expectativas de negócios para o próximo ano também sugere que o emprego também será retomado, segundo o pesquisador.

PMI EUA

Reprodução/IHS Markit

PMI do ISM: também acima da projeção

Outro Índice dos Gerentes de Compras (PMI) industrial dos EUA foi divulgado nesta quarta. Mas veio do Institute of Supply Management (ISM). E a leitura também foi positiva. Ele ficou em 52,6 pontos em junho, ante 43,1 de maio e uma projeção do mercado por 49,5 pontos.

Segundo a publicação, o número indica expansão da economia pelo segundo mês consecutivo, após uma forte contração em abril – que pôs fim a um período de 131 meses consecutivos de crescimento.

O índice de novos pedidos chegou a 56,4 pontos, com aumento de 24,6 pontos percentuais em relação à leitura de 31,8 em maio.

O Índice de Produção registrou 57,3 pontos, com aumento de 24,1 pontos percentuais em comparação com a leitura de maio.

O Índice de pedidos em atraso registrou 45,3, aumento de 7,1 pontos.

O Índice de Emprego registrou 42,1, com aumento de 10 pontos.

Por fim, o Índice de Entregas de Fornecedores registrou 56,9, com queda de 11,1 pontos ante maio.