EUA e China assinam fase um de acordo; bolsas em NY operam em alta

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Jason Lee / Illustration Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o o vice-vice-primeiro-ministro da China, Liu He, assinaram nesta quarta-feira (15) a primeira fase do acordo comercial entre os dois países.

Às 15h20, o índice Dow Jones avançava 0,39%, o S&P subia 0,20% e o Nasdaq valorizava-se 0,21%, com a confirmação do aguardado acordo.

Segundo o documento assinado, os EUA aumentarão suas vendas para a China em US$ 200 bilhões, concentrados em produtos agrícolas, industriais, financeiros e tecnológicos, durante dois anos.

Em troca, os EUA retirarão as sobretaxas sobre as importações chinesas, mas apenas após a conclusão da segunda fase.

“Esse é um acordo muito mais poderoso que o dos US$ 200 bilhões. É um acordo de US$ 250 bilhões, US$ 300 bilhões. É o maior acordo já negociado. A China tem 1,5 bilhão de habitantes e é um mercado que se abre para nós”, disse Trump.

O acordo encerra meses de especulações e notícias sobre a guerra tarifária entre os dois países. Trump falou na Casa Branca: “Esse é um momento histórico”.

Liu He afirmou: “este acordo é mutuamente benéfico. A China vai honrar escrupulosamente a primeira fase do acordo.”

“A China irá se abrir mais amplamente no futuro”, acrescentou.

Déficit

Durante seu discurso, Trump disse que os seguidos déficits comerciais que os EUA tiveram, “superiores a US$ 5 trilhões” foram provavelmente o motivo mais forte que o levou a disputar a presidência:

“Durante anos tivemos déficits comerciais gigantescos. Tínhamos acordo comercial com o México, com o Canadá, mas não tínhamos com a China. A culpa não é dos chineses! Não é da China, é dos presidentes americanos que não negociaram um acordo comercial com eles”, afirmou o mandatário.

Trump acrescentou que as tarifas sobre os produtos chineses serão retiradas quando a segunda fase do acordo for assinada, o que ele espera ocorrerá em breve. “Espero que esse acordo não tenha fase III. Negociar é muito difícil”, afirmou.

(Com Omar Salles e Rodrigo de Oliveira)