EUA criam 266 mil vagas de emprego em novembro, bem acima da expectativa

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: TechTimes

O resultado foi muito acima da expectativa. Foram criadas nos Estados Unidos, em novembro, 266 mil vagas de emprego. O número é bem acima dos 187 mil novos postos de trabalho estimados pelos especialistas. É o melhor cenário do ano, consideram os analistas.

O fim da greve na GM é apontada como um dos principais fatores que ocasionaram a geração de empregos. Nas montadoras, foram abertas 41,3 mil novas vagas.

Ganhos médios

Os ganhos médios por hora também ficaram pouco acima do esperado: cresceram 3,1%, quando os especialistas previam 3%.

Os dados foram divulgados nesta sexta (6). O payroll (relatório com a folha de pagamentos dos EUA, com exceção dos trabalhadores agrícolas) é divulgado sempre na primeira sexta de todo mês.

Em outubro, foram gerados 128 mil empregos e a taxa de desemprego ficou em 3,6%, a menor em 50 anos.

Desemprego tem ligeira queda

A taxa de desemprego caiu para 3,5%. A expectativa era de manutenção em 3,6%.

Tanto a taxa de desemprego quanto o número de pessoas desempregadas (5,8 milhões) teve pouca variação.

Entre os principais grupos de trabalhadores, as taxas de desemprego para homens adultos (3,2%),
mulheres adultas (3,2%), adolescentes (12%), brancos (3,2%), negros (5,5%), asiáticos (2,6%) e hispânicos (4,2%) apresentaram pouca ou nenhuma mudança em novembro.

O número de desempregados de longa duração (desempregados por 27 semanas ou mais), de 1,2 milhão, permaneceu praticamente inalterado em novembro e representou 20,8% dos desempregados.