EUA confirmam primeira morte em decorrência do novo coronavírus no país; América Latina tem cinco casos

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Bloomberg

Os Estados Unidos confirmam a primeira morte dentro do país em decorrência do Covid-19, como é conhecido o novo coronavírus que vem assustando o mundo. Não há detalhes aprofundados sobre a ocorrência.

As autoridades estaduais emitiram um breve comunicado anunciando a morte, não deram detalhes e agendaram uma entrevista coletiva. Um porta-voz do Centro Médico EvergreenHealth, Kayse Dahl, disse que a pessoa morreu na instalação.

Apenas disseram que “novas pessoas foram identificadas com a infecção, uma das quais morreu”. Eles não disseram quantos casos novos existem. Na última atualização da Organização Mundial da Saúde (OMS), das 15:25h de sábado (29), os Estados Unidos reportavam 68 casos confirmados.

Conheça planilha que irá ajudar nas escolhas, gestão e diversificação de suas ações

Amy Reynolds, do departamento de saúde do estado de Washington, disse em uma breve entrevista: “estamos lidando com uma situação de emergência em evolução”.

Subnotificação nos EUA

O número de casos de coronavírus nos Estados Unidos é considerado pequeno. Em todo o mundo, o número de pessoas doentes pelo vírus ficou no sábado em torno de 86.000, com 2.941 mortes, a maioria delas na China.

Autoridades de saúde do estado da Califórnia, Oregon e Washington preocuparam-se com o novo coronavírus que se espalhou pelas comunidades da costa oeste após confirmar que três pacientes foram infectados por meios desconhecidos.

Os pacientes – uma mulher idosa do norte da Califórnia com condições crônicas de saúde, uma estudante do ensino médio em Everett, Washington, e uma funcionária de uma escola da região de Portland, Oregon – não haviam viajado recentemente para o exterior ou tinham tido contato próximo com um viajante ou pessoa infectada, disseram as autoridades.

Os três casos indicam que o vírus pode estar circulando pelo país e pode estar sendo subnotificado às autoridades dos EUA.

Casos anteriores nos EUA eram totalmente rastreáveis. Incluem três pessoas que foram evacuadas da cidade de Wuhan, no centro da China, epicentro do surto; 14 pessoas que retornaram da China ou seus cônjuges; e 42 passageiros americanos no navio Diamond Princess, que foram levados para as bases militares dos EUA na Califórnia e no Texas para quarentena.

Convencidos de que o número de casos crescerá, mas determinados a impedi-los de explodir, as agências de saúde estão intensificando os esforços para identificar os pacientes.

América Latina

Após o primeiro caso confirmado no Brasil, na quarta-feira (26), o México identificou três pessoas infectadas nos dois dias seguintes. Nesse sábado, o Equador acabou confirmando seu primeiro caso de infecção pelo Covid-19.

É uma mulher que retornou ao país em 14 de fevereiro, após uma viagem a Madri, na Espanha, apresentando sintomas característicos. Ela está em terapia intensiva em Guayaquil e seu estado é considerado crítico.

As autoridades de saúde equatorianas informaram que estão monitorando cerca de 80 pessoas que tiveram contato com a paciente e rastreando outras. Até agora, nenhuma delas apresentou sintomas de coronavírus.

LEIA MAIS
Coronavírus: os investidores devem temer uma recessão global?

OMS eleva o risco de pandemia do coronavírus para “muito alto”