Eternit (ETER3): Inmetro autoriza comercialização das telhas fotovoltaicas

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução / Eternit

A Eternit (ETER3) conseguiu, enfim, nesta terça-feira (15), o certificado do O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para sua telha de concreto capaz de produzir energia.

A empresa tem dois modelos de telhas fotovoltaicas.

Uma em concreto, já aprovada pelo Inmetro, com o nome Tégula Solar, em 2019.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

O outro modelo, desenvolvido em fibrocimento, acaba de ter o certificado.

Assim, a empresa já pode comercializar o produto.

Na Eternit Solar, há células fotovoltaicas aplicadas sobre ela, o que substitui os tradicionais painéis solares.

Eternit Solar em pequena escala

Segundo a Exame, “as telhas solares serão produzidas na fábrica da Tégula Solar, marca que pertence ao grupo, em Atibaia, interior de São Paulo”.

A telha criada em 2019, até agora, só foi produzida em pequena escala.

Além disso, tem sido usada apenas em testes de laboratório e em projetos parceiros.

A comercialização para o varejo deve começar em 2021.

No site da Eternit, já há o link para o produto. Ao clicar, o cliente recebe a mensagem: “em breve, mais essa inovação Eternit”.

Especificação

Cada unidade Eternit Solar tem potência de 9,16 watts. Seu tamanho é de 36,5 por 47,5 centímetros.

Com uma unidade, é possível produzir 1,15 quilowatt hora (Kwh) por mês.

A empresa estima que o uso da tecnologia possa reduzir o custo de um sistema solar em até 20%.

“Com isso, o retorno esperado para o investimento é de 3 a 5 anos”, lembra a Exame.

A capacidade de produção da fábrica em Atibaia é de até 90 mil telhas fotovoltaicas por mês.

Com a aprovação, a ação ordinária da Eternit (ETER3) chegou a subir 4,10% na sessão da bolsa desta terça.

Mas fechou mesmo com alta de 1,51%, a R$ 5,38.