Estados Unidos multam a Boeing em R$ 22 milhões por acidentes com 737

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação / ViaTrolebus

Os Estados Unidos anunciaram formalmente que aplicaram uma nova multa milionária na Boeing por conta de informações equivocadas da empresa sobre dois acidentes envolvendo aviões modelo 737 MAX em menos de cinco meses.

A nova sanção aplicada foi de US$ 5 milhões, aproximadamente R$ 22 milhões, que se soma aos US$ 3,9 milhões que o governo norte-americano já havia cobrado da empresa em dezembro, também por problemas nas asas do 737.

Segundo o governo americano, o problema estaria em um componente que guia a direção da asa em decolagens e em aterrissagens.

Enquanto a empresa garante estar cumprindo os protocolos de segurança, a FAA diz que a supervisão da peça não tem sido feita de maneira adequada e, por isso, ocasionado acidentes.

Os acidentes

Os acidentes que causaram as multas do governo para a empresa aconteceram entre outubro de 2018 e março de 2019.

No primeiro, um avião da Lion Air, com 188 ocupantes, caiu no mar de Java, na Indonésia, e não deixou sobreviventes.

O segundo aconteceu na Etiópia, em voo da Ethiopian Airlines, que saía da capital, Adis Adeba, com 157 passageiros. Mais uma vez, ninguém sobreviveu.

A Boeing tem um prazo de 30 dias para recorrer da multa e tentar chegar a um acordo com as autoridades norte-americanas.