Escócia volta a estudar possibilidade de declarar independência do Reino Unido

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Reprodução/Wikipedia

Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Escócia, admitiu, em entrevista para a agência Reuters, que o país está novamente estudando a possibilidade de declarar independência do Reino Unido.

“Deveríamos concordar com um processo entre nós e o governo do Reino Unido para um referendo, de acordo com o mandato claro dado pelo povo da Escócia”, comentou Sturgeon, em Bruxelas, na primeira viagem que fez desde que o Reino Unido saiu da União Europeia.

“Estamos adotando na Escócia as etapas necessárias para garantir que um referendo seja legal e legítimo, para que o resultado possa ser aceito e acordado na Escócia e internacionalmente”, complementou.

Nova tentativa

A premiê adiantou que a intenção é fazer à população a mesma pergunta realizada em 2014 em um possível novo referendo.

Na ocasião, 55% da população rejeitou a ideia de separação do Reino Unido. Agora, após a saída da União Europeia, no entanto, ela acredita que o referendo possa ter um resultado diferente, pois o país pretende se manter próximo do bloco.

“O Brexit colocou a Escócia no caminho equivocado. Quando mais transitarmos por ele, mais tardaremos e mais difícil será voltar ao caminho correto. Precisamos voltar o quanto antes”, declarou, ao dizer que o “único jeito” é conseguir um Estado próprio.