EQI atinge R$ 9,4 bi sob gestão e supera pré-migração ao BTG (BPAC11)

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação EQI

A EQI Investimentos atingiu a marca de R$ 9,4 bilhões em ativos sob gestão. Esta era a marca pré-migração para o BTG Pactual (BPAC11) e foi obtida menos de um ano após a mudança.

Antes da mudança, o volume de ativos sob gestão era de R$ 9,2 bilhões. De acordo com matéria da Exame, nunca antes um escritório havia atingido essa mesma marca em um intervalo tão curto.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Juliano Custódio, CEO da EQI, diz que os clientes têm adotado a maneira do escritório de fazer negócios. E já vislumbra a criação da corretora e um futuro IPO.

EQI: escritório abre até 7 mil contas por mês

Custódio ressaltou que o escritório abre entre 6 mil e 7 mil contas por mês. Sendo um volume até dez vezes maior do que a média dos escritórios do país. Isto pôde ser alcançado graças à processos automatizados e digitalizados.

Marcelo Flora, head da corretora digital do BTG, lembrou que hoje em dia, 80% das contas de empresas ligadas ao banco de investimentos são abertas em menos de meia hora.

Desde o começo do ano, o escritório tem captação líquida de aproximadamente R$ 900 milhões ao mês, em média. Para o fim deste mês, a expectativa é que alcance R$ 1 bilhão.

IPO à vista

Após obter autorização para atuar como corretora, o escritório formatará o plano para realizar seu IPO. Isto porque Custódio afirma que, após obter o aval do BC, a estratégia será acelerar o crescimento.

A expectativa é que a abertura de capital possa ocorrer no próximo ano. Já a gestora do grupo, a EQI Asset, deve atingir R$ 1 bilhão de ativos sob custódia em até dois meses.

Este crescimento da gestora pode ocorrer desde crescimento orgânico até aquisições. Hoje o volume é de R$ 700 bilhões em ativos sob gestão.

Crédito privado

Um dos produtos mais recentes é a área de crédito privado. A ideia é atuar no segmento middle market para atuar em dívidas cujas operações variam entre R$ 10 milhões a R$ 200 milhões.

Recentemente também foi lançadoFII NCH EQI High Yield Recebíveis Imobiliários, sob o tícker EQIN11. Este substitui o FII NCH Brasil Recebíveis Imobiliários (NCHB11), desde o dia 19, no pregão da B3 (B3SA3).

O fundo é a fruto de uma cogestão entre a NCH Capital e a EQI Gestão de Recursos, para captar e alocar, da melhor forma possível, os recursos de investidores no mercado imobiliário.

Por meio da cogestão, os cotistas irão se beneficiar, além da participação na gestão dos ativos líquidos do Fundo, da capacidade da EQI ampliar a divulgação do Fundo para a sua grande rede de clientes investidores.

Dessa forma, possivelmente, poderá se ampliar a base de cotistas e a liquidez das cotas, além de aumentar a capacidade de captação de recursos no futuro, em novas emissões de cotas para o crescimento dos investimentos da carteira do fundo.

 

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3