Envolvimento da Oi na Lava Jato pegou credores da empresa de surpresa

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Estadão Conteúdo

A citação da empresa Oi nas investigações da Lava Jato sobre um possível favorecimento a Fabio Luis Lula da Silva, filho mais velho do ex-presidente Lula, em negócios com a operadora pegou os credores da companhia de surpresa.

Apesar de a negociação para a redução das dívidas estar em andamento desde 2016, os acionistas da empresa telefônica não computaram o risco da investigação da Lava Jato na renegociação da dívida de cerca de R$ 32 bilhões detida pelos ex-bondholders, pois o tema jamais foi citado na negociação com os credores.

Segundo informações da coluna Broadcast, de O Estado de S.Paulo, pelo menos por ora os credores não acreditam que o rumo das investigações vá afetar a empresa, mas alertaram que, se isso vier a acontecer, ampliará os desafios de caixa da companhia, que ainda são grandes.

Recuperação judicial recorde

Ainda segundo a coluna Broadcast, a Oi listou dívidas de R$ 65 bilhões, o que lhe deu o título de maior processo de recuperação judicial da América Latina por alguns anos.

A operação denominada Mapa da Mina investiga supostos repasses de mais de R$ 132 milhões, entre 2004 e 2016, por companhias da Oi para empresas do Grupo Gamecorp/Gol, que são controladas pelo filho mais velho do ex-presidente da República.