Entenda a crise dos combustíveis

Em texto publicado dias atrás, falei sobre como as grandes crises podem gerar excelentes oportunidades para se ganhar dinheiro. Lembro de ter citado a visão de Albert Einstein sobre momentos  como este. E ele novamente nos ajudará a entender a atual crise dos combustíveis.

Juliano Custodio
Eu Quero InvestirColaborador do
img-capa

Foto: img-capa

Entrar no “terreiro” político é algo que não gosto, mas seria impossível colocar meu ponto de vista a respeito da atual crise dos combustíveis, sem lembrar do que foi feito pelo governo anterior diante de situação muito semelhante.

Chegaremos lá.

Alta agressiva

A premissa inicial a respeito da crise dos combustíveis: O Valor do barril de petróleo atingiu recentemente os US$ 75. Esta marca não era superada desde o final de 2014, tempos do governo Dilma.

Em menos de um ano, o barril de petróleo acumula alta superior a 50%.

Em parte, a explicação desta alta se explica pelas tensões políticas e econômicas causadas pelo boquirroto presidente americano Donald Trump.

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]A lógica econômica indica que países e empresas mundo afora tenham receio de que no curto prazo haja menos petróleo disponível. Daí a volatilidade da commodity mais comercializada do mundo.[/box]

O que explica a volatilidade?

Ocorre que apesar de ser produzido em larga escala, a produção de petróleo é feita por um número pequeno de países, porém, consumida por todos.

Logo, qualquer tensão política com um destes exportadores, tem efeito imediato no mercado. Atualmente temos dois exemplos muito claros: A interminável crise na Venezuela e a saída dos EUA do acordo nuclear firmado com o Irã, nos tempos de Barack Obama.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Antes de continuar

Você já conhece seu perfil de investidor? Ele é o primeiro passo para o sucesso em seus investimentos. Através dele, você descobrirá os produtos mais adequados à sua carteira de investimentos.

[banner id=”teste-perfil”]

Continuando…


Temos ainda o dólar, que já acumula alta de 11% em 2018. Quando somamos todas essas premissas, fica mais fácil entender o que está acontecendo nas bombas dos postos de combustíveis.

Cereja do bolo

Para completar o quadro trágico, estamos a poucos meses de uma eleição presidencial e no Brasil, eleição e populismo andam tão colados, que deviam fazer parte daquela música do Claudinho & Buchecha.

Em 2014, a ex-presidente Dilma Rousseff, preocupada com a ameaça de não-reeleição, decidiu não repassar aos consumidores o aumento iminente do barril de petróleo e da energia elétrica. A razão é bastante óbvia: Aumentar preços às vésperas de uma eleição é suicídio eleitoral.

Acontece que ao fazer isso, Dilma sangrou (ainda mais) os cofres de duas das maiores empresas do país: Petrobras e Eletrobras.

O “canetaço“ da ex-presidente funcionou, mas apenas para ela. Como era de se esperar, ambas empresas acumularam prejuízos babilônicos nos meses que seguiram ao não repassar o aumento do barril de petróleo ao consumidor.

Agora, Michel Temer resolve beber da mesma “água” ao bancar uma redução temporária no preço do diesel. E os motivos, como você já deve supor, são os mesmos: O populismo e as eleições.

[box type=”error” align=”” class=”” width=””]Se eu gosto de pagar quase R$4,00 no preço da gasolina? Evidente que não. [/box]

Mas, às vezes, precisamos pensar fora da caixa e enfrentar o problema, ao invés de tentar varrê-lo para debaixo do tapete até outubro chegar.

Mais uma vez, a irresponsabilidade do governo gerará um novo prejuízo aos nossos cofres, e a conta (como sempre) será paga pela sociedade.

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]Tenha uma coisa em mente: O governo brasileiro não tem qualquer ingerência sobre a cotação do dólar ou do petróleo e não cabe a ele “maquiar” os preços artificialmente para atender os anseios da população.[/box]

Portanto, antes de confirmar seu voto em outubro, lembre-se da frase atribuída a Einstein:

“Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes.”