Enjoei (ENJU3): conheça a startup que pode fazer IPO bilionário

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: wikipedia

A onda de IPOs (Ofertas Públicas Iniciais) de 2020 está levando para a bolsa brasileira empresas de segmentos que não tinham tradição no nosso mercado de capitais. O brechó on-line Enjoei (ENJU3) é uma delas. A startup quer fazer sua estreia em grande estilo, levantando mais de R$ 1,1 bilhão com o IPO.

A fixação de preço está marcada para 5 de novembro e a estreia na B3 para o dia seguinte.

Se nos Estados Unidos as startups são recorrentes na Nasdaq, por aqui são raridade.  O blog que virou site e depois uma plataforma de e-commerce se juntará a outras startups brasileiras que querem aproveitar a barca dos IPOs de 2020, como Wine, Méliuz e Housi.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Neste artigo vamos contar a história do Enjoei, seus projetos de expansão, detalhes do IPO e os números da empresa.

O que é o Enjoei

Em 2009, o casal carioca Ana Luiza McLaren e Tiê Lima queria começar a vender roupas e acessórios usados próprios e de amigos na internet. O formato de brechó virtual começou como um blog descontraído em São Paulo, com linguagem bem humorada. Assim, em questão de meses o blog virou site e o site virou negócio.

O casal uniu sua expertise no mundo digital (Ana é publicitária e era gerente de vendas do Google e Tiê trabalhava com projetos digitais) para fazer daquela ideia uma empresa sólida.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

Ana Luiza e Tiê criaram em 2009 a Enjoei

Ana e Tiê, os fundadores da Enjoei / Foto: Divulgação

Ano a ano as vendas foram aumentando e, em 2012, o Enjoei virou um marketplace. Ali, cada pessoa poderia criar seu perfil, vender seus artigos pessoais e lucrar com a venda dos itens.

Em 2013, o negócio recebeu um aporte do fundo brasileiro Monashees e em 2014 do americano Bessemer Venture Partners. Em 2017, lançou uma versão do negócio na Argentina, o Ya Fué.

Ao longo de uma década o negócio amadureceu, consolidou-se, e hoje agrega também móveis, artigos para casa, entre outros itens. Assim, hoje o Enjoei se apresenta como uma “plataforma que conecta pessoas e produtos de moda e lifestyle” visando “estabelecer um novo hábito de comportamento e consumo”.

Assim, com um negócio focado 100% no on-line, os usuários usam a plataforma da Enjoei como uma verdadeira loja para vender seus pertences, com soluções de oferta, entrega e pagamento.

Alguns números da empresa:

  • 23 milhões de visitas por mês nos últimos 12 meses (até 30 de junho);
  • O site tem 1,9 milhão de vendedores e mais de 1,5 milhão de compradores desde o lançamento;
  • Já foram cadastrados mais de 30 milhões de produtos, com mais de 85 mil marcas;
  • Só no mês de junho de 2020 cerca de 350 mil itens foram colocados à venda na plataforma por semana.

Modelo de negócio do Enjoei

O modelo de negócios do Enjoei se dá pela intermediação das vendas que ocorrem através da plataforma. Mas há ainda outros serviços correlatos à intermediação.

A comissão da plataforma cobre os serviços de intermediação, meios de pagamento, segurança e demais custos da plataforma. Assim, a cada transação realizada, o Enjoei cobra dos vendedores uma tarifa fixa (de R$1,90 a R$ 13 por faixa de valor de produto até R$ 1.500, e grátis para produtos com valor superior a R$ 1.500) e uma comissão dos vendedores de: 18,5% para produtos com valor inferior ou igual a R$ 100; ou 20% para produtos com valor superior a R$ 100.

Mas há outros serviços como o enjuPRO. Ele só é oferecido em São Paulo, e tem como benefício o próprio Enjoei coletar os itens (com taxas extras).

Outras receitas e serviços incluem: serviço de prevenção a fraudes, coparticipação no frete, envio protegido e enjuBank (carteira digital).

Números do Enjoei

Como muitas outras startups que acessaram o mercado de capitais lá fora, a Enjoei vai abrir o capital sem dar lucro. No ano passado, a empresa acumulou prejuízo líquido de R$ 20,7  milhões. Em 2018, as perdas somaram R$ 20,1 milhões e, em 2017, R$ 12,8 milhões.

A receita líquida atingiu R$ 53,6 milhões em 2019. Em 2018 este indicador foi de R$ 38,9 milhões e de R$ 33,5 milhões em 2017.

Os principais acionistas hoje são: Bessemer (18,19%), Monashees (15,44%), Aram (12,12%), Ana Luiza McLaren (11,64%), Estoril (9,20%) e Tiê Lima (8,80%). Mas após a oferta, Ana Luiza passará a deter a maior parte da empresa.

Sobre o IPO do Enjoei

O Enjoei já definiu código (ENJU3) e o intervalo de preços por ação. Com faixa indicativa entre R$ 10,25 e R$ 13,75, a empresa pode captar até R$ 1,155 bilhão com o IPO na faixa média.  Se os lotes adicionais forem colocados, o IPO pode levantar até R$ 1,55 bilhão – considerando o topo da faixa indicativa.

O preço final estava previsto para ser definido 27 de outubro, com início das negociações na B3 no dia 29. Mas nesta semana, a companhia mudou as datas, para 5 e 6 de novembro respectivamente.

A empresa será listada no Novo Mercado, o mais alto índice de governança corporativa da bolsa. A distribuição pública será primária e secundária.

A empresa e seus investidores, que incluem a gestora Monashees, vão vender 96.265.123 de ações no IPO. Mas esse montante pode subir para 129.957.916, dependendo da venda de lotes extras de papéis.

A abertura será coordenada pelos bancos BTG Pactual (BPAC11), Bradesco BBI, J.P. Morgan, XP Investimentos e UBS.

Por fim, os principais acionistas vendedores são os fundos Monashees, Bressemer e Aram.

Estratégias de crescimento

Os recursos da oferta serão destinados a: expansão da marca e base de usuários (30%), soluções fintech (25%), expansão do time para desenvolvimento de produto (25%) e investimento em políticas comerciais (20%).

O Enjoei tem como prioridade a expansão da base de clientes. Mas para expandir com eficiência e em alta escala, a empresa diz que tem se preparado ao longo dos últimos anos para que o modelo de retenção funcione de maneira sólida.

Outro ponto é que, para ampliar e sustentar a eficiência de crescimento, é necessário que o Enjoei tenha cada vez mais sortimentos para acelerar a recorrência e a frequência dos usuários.

Para expandir o alcance do Enjoei a empresa quer aumentar o modelo de trade-in (troca de roupas usadas por descontos em lojas), expandir a atuação do enjuPRO (hoje está só em SP, mas a empresa quer expandir nacionalmente), expandir a participação de categorias (ter mais moda infantil e masculina e também itens de casa e decoração) e expandir o modelo de negócios (a proposta é ser B2B2C, vendendo itens não utilizados por marcas que fazem parceria, permitindo que tais marcas vendam novas coleções, coleções passadas e itens em oferta).

Por fim, estão nos planos do Enjoei ampliar os serviços logísticos e investir em tecnologia artificial.