Engie (EGIE3) tem queda de 9,5% no lucro no 1TRI; Ebtida sobe 9,8%

Felipe Moreira
Editor na EuQueroInvestir, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional.
1

Crédito: Reprodução / Site Engie Brasil

A Engie Brasil divulgou seus resultados do primeiro trimestre de 2020, nesta quarta-feira (24). O lucro líquido somou R$ 512 milhões, um recuo de 9,5% em comparação com igual período de 2019.

A empresa explica que o desempenho foi afetado pelo aumento das despesas financeiras, reconhecimento de impairment e aumento de depreciação e amortização.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 392,3 milhões, uma elevação de 83,2% na perdas financeiras.

O volume de energia vendida cresceu 3,5%, totalizando 4.337 MW médios.

Enquanto isso, os custos operacionais somaram R$ 1,539 bilhão no período, alta de 22,3%.

Ebtida avança quase 10%

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebtida, na sigla em inglês) totalizou R$ 1,331 bilhão, um desempenho 9,8% superior em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

Conforme a Engie, o resultado foi influenciado pelo reconhecimento de resultado positivo de participação societária na TAG; R$ 30,6 milhões oriundos do segmento de trading de energia; e R$ 10,5 milhões oriundos do segmento de transmissão de energia.

Enquanto a margem Ebtida atingiu 51,3%, baixa de 0,6 ponto percentual.

Receita da Engie sobe 10,9%

A receita líquida somou R$ 2,594 bilhões no período, um crescimento de 10,9%.

De acordo com a Engie, o desempenho foi puxado pelo aumento no segmento de transmissão, no segmento de geração e venda de energia elétrica do portfólio da companhia, motivado, substancialmente, pelo maior quantidade de energia vendida e  aumento do preço médio líquido de venda.

O lucro bruto foi de 1,055 bilhão no primeiro trimestre de 2020, um recuo de 2,3%.

Investimentos

Os investimentos da Engie totalizaram R$ 785,7 milhões no trimestre.

De acordo com a empresa, os aportes foram destinados para construção de novos projetos e à aquisição de 100% da participação acionária na Novo Estado Transmissora de Energia.

Dívida da Engie cresce 33,2%

A dívida líquida da Engie encerrou março em R$ 11,084 bilhões, um aumento de 33,2%.

A alavancagem medida pela relação dívida líquida / Ebtida, ficou em 2,1 vezes no final de março, contra 2 vezes no mesmo período de 2019.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Veja os principais destaques do balanço da Engie: