Engie (EGIE3) fecha acordo para aporte de R$ 500 mi do Itaú (ITUB4)

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação Engie

A Engie (EGIE3) comunicou nesta terça-feira (1º) a celebração de um acordo de investimento com o Itaú Unibanco (ITUB4).

Segundo o comunicado, o acordo tem por objeto a subscrição, pelo Itaú, de novas ações preferenciais resgatáveis a serem emitidas pela controlada indireta da Engie, a Novo Estado Participações (NEP) no valor de R$ 500 milhões, representando 18,56% do capital social da NEP.

Desse modo, o estatuto social da NEP foi alterado para criar uma nova classe de ações, as quais possuem datas de resgate e fazem jus a determinadas vantagens e preferências.

Conheça planilha que irá te ajudar em análises para escolha do melhor Fundo Imobiliário em 2021

“Importante ressaltar que a Operação proporcionou uma estrutura competitiva, em termos de prazo e condições, para viabilizar a implantação de cerca de 1.800 quilômetros de linhas de transmissão nos estados do Pará e Tocantins, e que continuaremos detendo a gestão  do ativo”, comentou o Diretor-Presidente da EBE, Eduardo Sattamini.

Lopes Brasil (LPSB3): segmento de franquias registra recorde operacional R$ 400 milhões em agosto

A Lopes Brasil (LPSB3), informou que a Rede Lopes, segmento de franquias da companhia, registrou no mês de agosto recorde operacional, atingindo R$ 400 milhões intermediados.

Segundo a companhia, o resultado é 47% superior ao observado em agosto de 2019.

Para o terceiro trimestre de 2020, as intermediações deste segmento de negócios já se aproximam de R$ 800 milhões, refletindo um crescimento de 55% no valor intermediado em relação ao mesmo período do ano anterior.

Fras-Le (FRAS3) conclui aquisição da Nakata Automotiva, por R$ 457 milhões

A Fras-Le (FRAS3) informou que as condições relativas a compra das ações que representam a totalidade do capital da Nakata Automotiva foram atendidas, inclusive a aprovação pelos acionistas da companhia.

A operação estava subordinada também à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e foi devidamente atendida.

Assim sendo, na data de hoje, 1, a Fras-Le assume efetivamente o controle e a gestão da Nakata.