Eneva (ENEV3) lucra 38,5% a mais no balanço do primeiro trimestre

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Divulgação

O lucro líquido da Eneva (ENEV3) totalizou R$ 179,8 milhões no primeiro trimestre de 2020. Os números representam um crescimento de 38,5% na base anual.

De acordo com a companhia, o avanço se deu em função do crescimento do Ebitda e da melhora do resultado financeiro líquido devido às menores despesas com encargos de dívida.

O Ebitda (lucro antes do IR, contribuição social, resultado financeiro e amortização) ajustado para o primeiro trimestre deste ano avançou 26%, aos R$ 434 milhões.

Trata-se do maior valor histórico para um primeiro trimestre, disse a Eneva no balanço divulgado na sexta-feira (15)

A receita operacional líquida da companhia subiu 53,6% nos três primeiro meses de 2020. Dessa forma, passou de R$ 611,4 milhões no primeiro trimestre 2019 para R$ 939,1 milhões em 2020.

Já o resultado financeiro do primeiro trimestre foi negativo R$ 64,5 milhões. No mesmo período de 2019 o resultado financeiro foi negativo em R$ 84,6 milhões.

A melhoria no resultado financeiro foi decorrente, sobretudo, de menores despesas com encargos de  dívida, declarou a companhia.

Fluxo de Caixa da Eneva

Nos três primeiros meses deste ano, o caixa líquido gerado pelas atividades operacionais totalizou R$ 497,4 milhões. De acordo com a companhia, esse movimento foi alavancado pelo maior Ebitda e redução do saldo de contas a receber.

Entretanto, o impacto positivo foi parcialmente compensado por:

  • Crescimento dos estoques em R$ 60,7 milhões devido a aquisições de sobressalentes;
  • Redução do saldo de contas a pagar em R$ 105,9 milhões, em função da liquidação de provisões de pagamentos diversos e reversão de provisão.
  • Maior pagamento de imposto de renda e aumento de tributos a pagar.

Posição de caixa e Endividamento

A Eneva encerrou o trimestre com uma posição de caixa livre consolidada de R$ 1,6 bilhão.

Ao mesmo tempo, a dívida líquida consolidada no período era de R$ 4,05 bilhões. Já relação dívida líquida/Ebitda foi de 2,6x nos últimos 12 meses.