Eneva (ENEV3), Hermes Pardini (PARD3) e RNI (RDNI3) levantam recursos

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Eneva

A ENEVA (ENEV3) informou nesta segunda-feira (13) que concluiu a emissão de debêntures, no valor de R$ 410 milhões, com prazo de um ano e custo de CDI + 2.5%.

A companhia encerrou o ano passado com um caixa de R$ 1,8 bilhão e, adicionalmente, dispõe de financiamentos contratados e a desembolsar em 2020/21 no montante de R$ 1,8 bilhão.

Segundo a Eneva, a posição atual de liquidez já seria adequada para honrar seus compromissos. A captação visa reforçar sua posição de caixa para enfrentamento das incertezas associadas ao impacto econômico do coronavírus.

Hermes Pardini aprova captação de R$ 200 milhões

O Conselho de Administração do Hermes Pardini (PARD3) aprovou na semana passada, a captação de R$ 200 milhões no mercado financeiro.

Sendo R$ 100 milhões obtidos junto ao Banco Itaú (ITUB4) com prazo de 1 ano, e outros R$ 100 milhões junto ao Banco Santander (SANB11), com vencimento em 2 anos.

RNI  celebra (CCB) R$ 50 milhões

A RNI Negócios Imobiliários (RDNI3) captou R$ 50 milhões através de Cédula de Crédito Bancário (CCB), conforme aprovado em Reunião do Conselho de Administração da companhia realizada na semana passada.

Os juros serão semestrais e correspondem a 100% da taxa DI + 3,90% ao ano. A amortização de principal será em parcela única, ao término do prazo (1 ano).

LEIA MAIS

Bancos, elétricas e saneamento são alternativas neste momento, aponta Vinci Partners

Câmara aprova texto-base do socorro emergencial a estados e municípios