Eneva (ENEV3) aprova a 6ª emissão de debêntures no valor de R$ 835 mi

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação / Eneva

A Eneva (ENEV3) anunciou nesta segunda-feira (24) o pedido de registro de oferta pública de distribuição de 835.000 debêntures simples, em até duas séries. É a sexta emissão da companhia.

O valor total será, inicialmente, de R$ 835 milhões.

Os recursos líquidos obtidos pela Eneva com as debêntures da primeira série serão utilizados para investimentos e pagamentos futuros relativos à execução do projeto de investimento na área de infraestrutura de gás natural denominado Parque dos Gaviões – Bacia do Parnaíba, que foi enquadrado pelo Ministério das Minas e Energia como prioritário.

BDRs| Confira os papéis disponíveis para Investimentos

As debêntures da segunda série serão caracterizadas como “debêntures com adicionalidade ambiental e climática”, com base em desempenho socioambiental satisfatório avaliado por consultoria especializada (SITAWI Finanças do Bem) em parecer independente.

A Eneva ainda fechou parceria com a XP investimentos, com o objetivo de apresentar mecanismos de incentivos ao mercado secundário das debêntures, bem como o detalhamento de planos para o provimento de liquidez às debêntures.

BR MaIIs (BRML3) fará parceria com Delivery Center e Google

A BR Malls (BRML3) anunciou hoje a Delivery Center, empresa da qual a companhia é sócia, celebrou parceria com o Google para o lançamento da operação Google Food Order.

O Google Food Order é o que a BR Malls chama de “nova experiência em delivery de alimentação, que estará disponível aos usuários do Google a partir desta semana”.

“A parceria permite que operações de alimentação, como restaurantes e praças de alimentação, localizados nos shopping centers da companhia recebam pedidos diretamente das ferramentas de buscas do Google e do Google Maps”, diz a empresa.

A integração dos restaurantes e da plataforma do Google, assim como a entrega, será feita pela Delivery Center.

“O objetivo é oferecer mais uma opção de venda para os nossos lojistas se consolidarem no meio digital”, disse em nota.

A BR Malls acredita que a operação vai proporcionar aos lojistas “ganhos de escala, tanto com a maior exposição do mix, quanto em termos de vendas adicionais”.

Além disso, espera contribuir “para a transformação dos shoppings em hubs logísticos, conectando os lojistas a marketplaces como Ifood, Rappi, Uber Eats, Mercado Livre, Americanas, Submarino, Shoptime, além dos próprios marketplaces dos shoppings brMalls”.

Atualmente, são 14 os empreendimentos integrados à solução: Shopping Tijuca, NorteShopping e Plaza Niterói, no Rio de Janeiro; Villa Lobos, Tamboré, Mooca Plaza, São Bernardo, Jardim Sul, Metrô Santa Cruz e Shopping Piracicaba, em São Paulo; Estação BH e Shopping Del Rey, em Minas Gerais; e Shopping Curitiba e Estação, no Paraná.

“A expectativa é levar a solução multicanal para todo o portfólio da BR Malls ainda esse ano”, informou.

Gafisa (GFSA3) esclarece questionamento da CVM sobre captação de recurso

A Gafisa (GFSA3) recebeu da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) questionamento sobre notícia veiculada pelo jornal Valor Econômico, em 21 de agosto último, sob o título “Tanure quer tornar Gafisa e Tecnisa na ‘nova AmBev'”.

“Consta, entre outras informações, que, juntas, as incorporadoras podem reduzir em quase R$ 100 milhões as despesas e fazer captações com taxas de juros menores”, disse a CVM.

A Gafisa respondeu que o valor citado “é uma estimativa baseada principalmente na sua experiência no contínuo trabalho da atual gestão” na redução de próprios custos e despesas, “tanto financeiros quanto operacionais”.

A empresa ainda espera, dentro do cenário atual macroeconômico, “uma importante redução nas despesas financeiras da Gafisa e da Tecnisa”.

“Os valores e informaçõe não constituem projeções ou garantias de resultados, especialmente pois até o momento a gestão da Gafisa somente teve acesso aos dados públicos tratando sobre situação econômica da Tecnisa e a natureza de suas despesas”, concluiu.