Empresas de private equity vão injetar mais capital em 2020

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Unsplash

Se as expectativas para este ano se concretizarem, 2020 será um ano de grande crescimento econômico no mundo todo.

Prova disso são as empresas de private equity, que contam com um nível recorde de caixa.

De acordo com a Bloomberg, Companhias lideradas pela Blackstone e Carlyle acumularam quase US $ 1,5 trilhão em capital não gasto. Isso é o maior total já registrado para um fim de ano, segundo dados compilados pelo Preqin.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

Enquanto no ano passado houve cerca de US$ 450 bilhões em acordos de private equity, as atividades de fusões e aquisições deste ano podem atingir a maior escala desde a crise financeira.

“Começamos 2020 com as pessoas se sentindo muito melhor em relação às perspectivas econômicas e geopolíticas do que há um ano”, disse Jason Thomas, diretor global de pesquisa do gigante de private equity Carlyle.

O contexto econômico atual favorece um número maior de investidores no segmento de private equity. Isso porque baixas taxas de juros, expansão dos fundos atrelados a índices e anos de desempenho morno dos hedge funds já não atrai mais os investidores sedentos por retornos mais altos.

Outra razão pela qual as empresas de private equity podem ter tanto dinheiro disponível é devido a diversidade de opções de investimento. Segundo Kewsong Lee, copresidente do Carlyle, as opções estão se expandindo,.

Classes de ativos, como dívida privada e regiões, incluindo o Japão, estão se abrindo para fluxos de capital privado, disse Lee em conferência em dezembro.

“Muitos ventos favoráveis devem conduzir a um fluxo saudável de negócios – como o aumento da certeza em torno do Brexit, continuidade dos juros baixos” e inovação tecnológica em todos os setores, disse Tayeh por e-mail. “Mas as tensões comerciais globais e os altos valuations continuarão tendo impacto nas fusões e aquisições.”

“Não é apenas o private equity que continua crescendo, mas novas classes de ativos estão surgindo dentro do private equity”, disse Lee.

A verdade é que as empresas de private equity não têm economizado em buscas bons negócios.

Prova disso foi o KKR, empresa de private equity dos EUA. Em novembro de 2019, a Companhia chegou a fazer uma proposta de compra para a rede de farmácias Walgreens Boots Alliance. Apesar disso, a negociação não foi concluída.

Por outro lado, a empresa de private equity sueca EQT AB e a Digital Colony Partners desembolsaram cerca de US$ 14 bilhões pela empresa de rede de fibra óptica Zayo Group. Constituindo um dos maiores acordos do ano passado.

Por fim, dinheiro disponível pode significar ainda mais acordos em 2020, disse Dave Tayeh, chefe de private equity na América do Norte na gestora Investcorp.