Embraer (EMBR3): S&P rebaixa rating para BB com perspectiva negativa

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Embraer embr3

A Standard & Pool (S&P), agência de classificação de risco, informou nesta segunda-feira (22) que rebaixou o rating da Embraer (EMBR3).

Segundo a nova classificação, a empresa, agora, caiu de BB+ para BB com perspectiva negativa. Culpa da provável queda de demanda, novamente causada pela pandemia do novo coronavírus.

A S&P divulgou nota oficial afirmando que a queda do número de aeronaves da Embraer deve levar a uma queima de caixa de até US$ 200 milhões.

O posicionamento foi emitido após um comunicado da Embraer, confirmando que reduziu a expectativa de entrega de jatos comerciais para 50 ou 55 unidades em 2021, ante a prevista previamente, que era de 70 a 75 aeronaves.

A nova baixa se soma à registrada em 2020, ano em que a Embraer teve uma queda de aproximadamente 35% nas entregas de aeronaves executivas e comerciais.

S&P vê Embraer “bem posicionada”

Mesmo depois de anunciar uma revisão na classificação da Embraer, a S&P esclareceu que o prospecto para a empresa não é pessimista.

Segundo a agência, a companhia “está bem posicionada no segmento de aeronaves de 70-130 assentos, o que pode levar a uma recuperação antes da indústria nas entregas da empresa.”

A S&P também alertou que a Embraer possui “forte posição de caixa e capacidade de refinanciamento da companhia”.

A análise da S&P vai de encontro com o que pensaram os investidores da Bolsa na última semana.

A maior alta disparada na Bolsa na quarta-feira passada foi da Embraer, que viu as ações subirem 13,99%.

As ações da Embraer dispararam com a informação de que a empresa alemã Lufthansa estaria em negociação com a companhia brasileira para a troca de alguns pedidos de aeronaves maiores por modelos menores.

O CEO da Lufthansa deu declarações afirmando ser necessário adequar pedidos anteriores à pandemia para ajustar os aviões a menores rotas e ao “novo normal”. Segundo o CEO, além de Boeing e Airbus, a empresa estaria em negociações com a Embraer.