Embaixada dos Estados Unidos diz que notícia sobre cancelamento de acordo da base de Alcântara “é falsa”

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Olhar Digital

A embaixada norte-americana no Brasil assegurou, na quarta-feira (4), que não há qualquer intenção do País em cancelar o acordo para o uso da base de Alcântara, no Maranhão.

O consulado dos Estados Unidos rotulou como “falsa” a reportagem do Huffington Post de que os EUA teriam ameaçado romper o tratado caso o Brasil mantivesse a China no leilão do 5G, previsto para ser realizado no 2º semestre de 2020.

De acordo com a matéria publicada pelo jornal, os Estados Unidos estariam temerosos quanto à possibilidade de os chineses espionarem parte da tecnologia de comunicação no Brasil.

Aprenda hoje a investir em Small Caps e encontre as oportunidades escondidas na Bolsa.

Em entrevista ao portal Huffpost, o brigadeiro Rogério Veríssimo, responsável por coordenar o grupo de trabalho brasileiro formado para implementar o acordo para uso da base no Maranhão, já havia negado tal informação.

“Não há a menor chance de o AST ser prejudicado por conta da China. Fake news. AST já está aprovado por lei”, assegurou.

O acordo

O acordo da base de Alcântara estabelece o uso comercial para lançamento de satélites, mísseis e foguetes, mas veda os Estados Unidos de lançarem mísseis balísticos, com capacidade de transportar armas para destruição em massa.

A base de Alcântara é de interesse norte-americano por sua proximidade com a linha do Equador, o que faz com que o consumo de combustível para o lançamento de satélites seja menor em comparação com bases que estão em latitudes maiores.