Money Week: gestor Henrique Bredda vê cenário econômico positivo no Brasil

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Fonte da foto: (Flávio Santana/Biofoto).

Começou nesta segunda (25) a Money Week, a maior conferência online sobre investimentos do país. O evento acontece até a sexta (29). Na manhã desta segunda-feira, o gestor Henrique Bredda, da Alaska Asset Management, um dos fundos de maior rentabilidade do mercado financeiro brasileiro, ministrou uma palestra sobre a retomada do crescimento econômico brasileiro. O empresário é um investidor de renome do mercado nacional.

Bredda fez uma análise otimista da conjuntura econômica brasileira, falou sobre projeções e citou boas oportunidades para o mercado financeiro. O gestor vê um cenário positivo para investimentos e para a economia nacionais. O Brasil vive, observa ele, um quadro estimulante para os negócios num período pós-reforma de previdência: “O país tenta endereçar uma reforma tributária com uma equalização dos níveis das taxas de juros”, lembrou ele.

De acordo com o gestor, os juros, que variavam na casa dos 14% ao ano, deixavam o país em um patamar assustador. As taxas atuais caminham para uma média de 4,5% a 5,5% e parecem. lembra o gestor, um pouco mais civilizadas.

EmpreendedorismoTécnicas para Renda Fixa. Tendências. Privatizações. Estratégias para proteção de investimentos.

Tudo isso hoje na MoneyWeek

Bredda acredita que essas taxas de juros provoquem uma realocação dos ativos no Brasil. “Os juros girando em torno de 14% tornavam as pessoas preguiçosas e ignorantes em relação a outras modalidades de investimento”, explica o gestor.

Para ele, “seria um evento raro a continuidade desses juros e o país não quebrar”. E acrescenta que a taxa de juros de 14% era uma fantasia: com a quebra do governo, os investidores provavelmente não receberiam o dinheiro aplicado.

Sair da zona de conforto

Bredda enfatiza que o momento para investimento no Brasil é bom, justamente porque é desconfortável. De acordo a análise dele, “o brasileiro precisa sair da zona de conforto e investir em algo produtivo”. No geral, Bredda explica, “isso é muito benéfico para o país”. E acrescentou: “O brasileiro vai ter que mudar, senão ele vai ficar para trás”.

Políticas econômicas do governo

Segundo o gestor, o governo atual entendeu bem a necessidade de dar continuidade a uma economia pró-mercado. Quando país fica mais líquido e mais ágil para fazer negócios e transações financeiras, torna-se mais dinâmico,  sólido e com possibilidades de produzir mais riquezas.

É necessário olhar para quem está à frente dos negócios

Ao ser perguntado sobre os setores mais favoráveis para investimentos, Bredda afirma que não adianta muito olhar para os segmentos, e sim para quem é o proprietário de uma determinada empresa de um setor e para as pessoas que estão na liderança. É mais produtivo estudar o modelo de negócio e a cultura corporativa da empresa.

Investimentos na bolsa de valores

De acordo com Bredda, quem entrar na bolsa de valores hoje precisa ter em mente que o investimento é uma construção: resultados vêm a longo prazo e normalmente o processo é bem caótico no início.

Por conta disso, é importante procurar auxílio de investidores mais experientes e profissionais do mercado financeiro. “Tem gente que sabe porque fez muito, e tem gente que sabe porque estou muito”, enfatiza. Além disso, o gestor aconselha a entrar no site e ler as cartas emitidas pelos investidores.

LEIA MAIS:

Crise na Argentina derruba exportações e freia retomada da indústria brasileira

Focus eleva previsão da inflação, do câmbio e do PIB para 2019