Em evento, Paulo Guedes anuncia privatização de 17 empresas

Filipe Teixeira
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Crédito da imagem: Reuters/Adriano Machado

Ministro se mostrou otimista com a recuperação econômica, mesmo com a desaceleração global.

O cenário internacional resolveu ir para tudo ou nada com suas apostas em um novo corte nos juros americanos. Já na próxima reunião do FED em setembro, colocando toda a pressão possível para que Jerome Powell finalmente atenda aos apelos costumeiramente nada gentis de Donald Trump.

O mesmo, porém com menor intensidade, pode se dizer do Banco Central Europeu, que apresenta sua ata amanhã.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Logo, as atas do FED (hoje) e do BCE (amanhã) prometem sacudir o mercado, para o bem ou para o mal e é inegável afirmar que nós, reles mortais de um mercado emergente, redobramos a torcida para que os ventos lá de fora, nos tragam boas notícias.

Rehab

Já a quarta-feira  na “terra brasilis” começou ainda ontem, antes mesmo da abertura dos mercados na Ásia, com uma notícia boa e outra ruim:

Em uma reunião entre analistas de mercado e diretores do banco central, projetou-se (a exemplo do que vem ocorrendo neste ano) uma série de revisões para baixo no PIB de 2020, refletindo os claros indícios da desaceleração global (uma maneira suave de chamar a próxima crise), indícios estes, que começamos a sentir com mais clareza nas últimas semanas.

A percepção atual do mercado é a de que o Brasil sofrerá ainda mais com a fuga do capital estrangeiro (que já é recorde), perdendo a briga para economias mais aquecidas e sofrendo de mãos dadas com os hermanos argentinos.

Não se elimina, por exemplo, a hipótese de um PIB negativo neste terceiro trimestre, o que ilustra por si só, nosso preocupante cenário de baixo crescimento.

Na semana que vem (29) sai o resultado do segundo trimestre, que na hipótese mais otimista, crescerá 0,5%. Em se confirmando este número, significará dizer que para cumprir a estimativa já baixa de um crescimento de 0,8% em 2019, o país precisará crescer 1,2% no quarto trimestre.

Mas do país que é especialista em deixar tudo para a última hora, não chega a ser uma novidade.

Já a inflação, não deve sofrer ainda, mesmo com o dólar mostrando força, reforçada justamente pela fraca atividade econômica.

Para deixar claro: Esta é a notícia ruim.

O otimismo do “posto Ipiranga”

A boa foi o anúncio antecipado do ministro Paulo Guedes, da privatização de 17 empresas, em evento promovido pelo Valor.

Confira a lista:

1-Emgea (Empresa Gestora de Ativos);
2-ABGF (Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias);
3-Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados);
4-Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social);
5-Casa da Moeda;
6-Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo);
7-Ceasaminas (Centrais de Abastecimento de Minas Gerais);
8-CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos);
9-Trensurb (Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A.);
10-Codesa (Companhia Docas do Espírito Santo);
11-EBC (Empresa Brasil de Comunicação);
12-Ceitec (Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada);
13-Telebras
14-Correios
15-Eletrobras
16-Lotex (Loteria Instantânea Exclusiva);
17-Codesp (Companhia Docas do Estado de São Paulo)

Vencida a Reforma da Previdência, o ministro acelera na priorização das privatizações, tentando cumprir sua meta de levantar ao menos US$20 bilhões neste primeiro ano de mandato.

Com seu característico otimismo e cunhando frases fortes como: “tem gente grande aí que acha que não será privatizada e vai entrar na faca”, Guedes parece dar início ao seu ambicioso plano de reduzir o tamanho do estado, desfazendo-se de mais de 100 estatais.

Sobre a agenda econômica, Paulo Guedes prometeu que se aprovadas as privatizações, teremos a entrada de “muito dinheiro de fora” em nossa economia.

“But when I come back, you’ll know, know, know”

Em seu momento Amy Winehouse, o ministro terminou afirmando que “Eles (mundo) cresceram muito e agora estão desacelerando. Já nós estamos saindo da clínica de reabilitação.”

Oremos.