Efeito do coronavírus na economia e na saúde será menor do que Sars, diz diplomata da China

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil/Divulgação

Os danos causados pelo coronavírus deverão ser menores na saúde e na economia mundial do que a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave). A Sars causou mais de 8 mil interações e mais de 900 mortes entre 2002 e 2003. Na avaliação do ministro conselheiro da Embaixada da China, Qu Yuhui, naquela época a China não tinha experiência em tratar de problemas de escala global.

De acordo com ele, os cientistas chineses foram rápidos em descobrir o código genético do coronavírus. Assim, o governo decidiu rapidamente em isolar a província Hubei onde o surto começou. Mais de 6 mil médicos foram mobilizados para tratar de doentes e deverá entregar até 5 de fevereiro dois novos hospitais com capacidade de 2,5 mil leitos no subúrbio de Wuhan, onde a epidemia começou.

O tráfico por estrada e por ferrovia para Hubei está interrompido. Esse isolamento pode causar impacto econômico. Em entrevista à Agência Brasil, Qu Yuhui pondera que “ainda é cedo para fazer uma avaliação exata quanto o grau de impacto desse vírus vai causar na economia”.

Descubra novos caminhos para multiplicar seu patrimônio. Aprenda hoje a investir R$ 300 mil com os melhores desempenhos.

A epidemia abrange o feriado do Ano Novo chinês (24 a 30 de janeiro), quando há diminuição da atividade econômica. O diplomata aposta que o impacto do coronavírus será menor do que em 2003 com a Sars. Naquele ano o PIB chinês recuou 1,2 pontos percentuais. “A situação é bem diferente. Sars atingiu vários centros econômicos como Pequim e Hong Kong. O PIB chinês é cinco ou seis vezes maior [hoje]”.

Segundo o chinês, a reação da economia e dos mercados também dependem de como a China vai combater o coronavírus. “Estamos confiantes. A economia chinesa é mais resistente e o governo tem recursos, tem confiança e tem o apoio da cooperação para vencer essa batalha”, diz ele.

 

Coronavírus já matou 304 pessoas

Até a noite de sábado (1º), a China havia confirmado a morte de 304 pessoas. E já haviam sido infectadas 14.380 pelo coronavírus. Neste domingo (2), morrou a primeira pessoa em decorrência do vírus fora da China. Um chinês de 44 anos morreu nas Filipinas. No Brasil são 16 casos suspeitos.