Economia brasileira alcança no 3º trimestre o melhor resultado em um ano

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Gráfico Ibovespa 28 de outubro de 2019

O mês de setembro marcou a segunda alta mensal consecutiva do desempenho da atividade econômica brasileira em 2019. Na comparação com agosto, houve uma expansão de 0,44%. O resultado foi conhecido nesta quinta-feira, dia 14, por meio do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). No terceiro trimestre, o índice subiu 0,91% em comparação com o trimestre anterior, considerando os dados dessazonalizados.

É a marca mais forte da economia em um ano. Nesse período, o terceiro trimestre de 2019 só perde para o crescimento conquistado no terceiro trimestre de 2018, com 1,67%.

Levando-se em conta os últimos doze meses, essa conta indica que o crescimento foi de 0,99%.

O IBC-Br é uma das maneiras de mensurar a evolução da atividade econômica do país e orienta o Banco Central nas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. Além do volume de impostos arrecadados, são informações de três setores que formam o IBC-Br, indústria, agropecuária e comércio e serviços.

No comércio, o IBGE mostrou que setembro teve os melhores resultados de vendas no varejo em dez anos. O setor de serviços apresentou o melhor índice positivo para o mês desde 2014 e a indústria teve o melhor setembro em dois anos.

A confirmação dos dados do IBC-Br se dará quando o IBGE apresentar os dados oficiais do governo para o terceiro trimestre, em 3 de dezembro, refletindo, enfim, as boas expectativas do mercado.

LEIA MAIS:

Tesouro Nacional realiza captação de recursos no exterior

Em meio à crise, governo anuncia pacote de reformas