Duratex (DTEX3): BTG vê “números excelentes” e recomenda compra

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação / Duratex

A Duratex (DTEX3) reportou nesta terça-feiras (3) lucro de R$ 123,93 milhões no terceiro trimestre de 2020. Isso representa um avanço de 347,2% sobre um ano antes, quando teve lucro de R$ 27,71 milhões.

Entretanto, no acumulado de 2020, a Duratex registra lucro líquido de R$ 152,34 milhões.

O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 32,9 milhões no período, uma melhora de 41,9% sobre as perdas em igual período de 2019.

EmpreendedorismoTécnicas para Renda Fixa. Estratégias para proteção de investimentos.

Tudo isso hoje na MoneyWeek

O BTG Pactual (BPAC11) definiu os números como “excelentes”: “de longe o melhor trimestre da história da empresa”.

No geral, são “resultados melhores do que o esperado, e reiteramos nossa classificação de compra, apesar das dúvidas sobre a sustentabilidade dos números”.

O preço-alvo para 12 meses é de R$ 24,00.

Ebitda consistente da Duratex

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou R$ 433,78 milhões, um avanço de 82,3% na base anual.

Com este resultado, a companhia encerra os 9 meses do ano com Ebitda ajustado de R$ 772,1 milhões, 22,5% acima do mesmo período de 2019.

“O aumento do volume vendido, aliado aos ganhos em produtividade decorrente do foco da companhia em aprimorar sua gestão de ativos por meio de consolidações fabris, redução de portfólio e otimização de ativos não só compensaram os aumentos de custos advindos da variação cambial, como levaram a Duratex a apresentar o melhor resultado operacional de sua história”, destacou a empresa.

A margem Ebitda atingiu 24,4%, alta de 6,2 pontos percentuais.

A empresa está sendo beneficiada por fortes mercados de construção no Brasil, especialmente a construção de pequeno porte.

Segundo o BTG, isso se dá porque as pessoas ficam em casa e trabalham mais em reformas.

Há uma ajuda do auxílio emergencial do governo.

Os volumes aumentaram de 25 a 50% na comparação anual, nos diferentes segmentos de negócios, o que ajudou a diluição de custos fixos, aumentando as margens para 24,4%, contra 18% no mesmo trimestre de 2019.

Divisão de madeira

A Duratex apresentou desempenho melhor do que o esperado para a divisão de madeira.

Isso se explica pelo forte controle de custos e volumes um pouco maiores, segundo o BTG.

As remessas saíram em 890 mil metros cúbicos, o que é 39% maior no comparativo anual (em comparação com a indústria em 20%, ganhando participação de mercado).

O preço médio da madeira por metro cúbico ficou estável, enquanto o custo caixa caiu 12%, na esteira da maior diluição de custo fixo (“unidades funcionando a toda velocidade”, ressalta o banco).

Deca

Na divisão Deca, o EBITDA atingiu R$ 114 milhões, uma expansão de 65% na comparação anual.

As remessas aumentaram 25% na comparação anual, enquanto a média os preços subiram 4%.

Ambos são resultados de uma demanda mais forte, juntamente com a nova estratégia comercial da Deca.

A divisão de cerâmica registrou EBITDA de R$ 68 milhões, contra R$ 19 milhões no trimestre anterior.

A margem foi de 24,8%, contra 17,9% um ano antes.

“Os bons resultados são explicados pela operação das linhas a plena capacidade e pela captura de sinergias”, diz o BTG.

Histórico de ações da Duratex em 2020

Em 2020, DTEX3 acumulada alta de 14,83%. Já o Ibovespa tem perdas de 17,01%.

No terceiro trimestre, DTEX3 ganhou ainda mais: 39,42%. Já o índice nacional recuou 0,48%.

“Vemos a Duratex como uma empresa em constante transformação, liderada por uma agenda voltada para o retorno”, analisa o BTG.

“A ação subiu nos últimos meses e agora está precificando uma história de crescimento relevante para os lucros futuros”, segue.

“No entanto, continuamos a ver o lado positivo nos níveis atuais. Portanto, reiteramos nossa classificação de Compra”, conclui.

Se você quer saber mais sobre o mercado de ações e como investir, preencha o formulário abaixo que um assessor daEQI Investimentos entrará em contato.