Doria anuncia na quarta como será a abertura gradual da economia em SP

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução / YouTube

O governador de São Paulo João Doria vai anunciar, na próxima quarta-feira (22), como planeja iniciar a abertura gradual da atividade econômica em meio à pandemia de coronavírus.

Apesar de a quarentena em todo o Estado ter sido decretada até o dia 10 de maio, Doria adotará, segundo Rodrigo Garcia, vice-governador, o “isolamento heterogêneo” ou “quarentena heterogênea”.

Informações da Folha de S. Paulo revelaram que, a princípio, deve ser permitida a abertura de comércios de rua. As autorizações, no entanto, serão atreladas à situação específica de cada área ou região.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

“O plano está em construção, em desenvolvimento, e depende da pactuação com os setores econômicos”, afirmou Garcia, à Folha.

Pactuação

A pactuação, de acordo com Rodrigo Garcia, envolve, por exemplo, os tipos de medidas de segurança adotadas para trabalhadores e clientes das empresas que forem abertas.

Uma das medidas já definidas é a obrigatoriedade do uso de máscaras por parte de todos os empregados das empresas ou lojas que voltarem ao trabalho.

Tudo sobre Investimentos em mais de 80 aulas GRATUITAS

As diretrizes estão sendo definidas pelo secretário da Fazenda, Henrique Meirelles, e por Patrícia Ellen, do Desenvolvimento Econômico.

Grupos de médicos, economistas, empresários e técnicos do governo também participam da discussão sobre o plano e os detalhes da pactuação.

Fim da quarentena

Após o dia 10 de maio, quando se encerrará o prazo para a quarentena geral, o governo detalhará as condições para que os demais negócios possam voltar à normalidade.

De acordo com o vice de Doria, a ideia é reunir o máximo de dados possíveis sobre a Covid-19 para, assim, traçar um plano de acordo com a curva epidemiológica apresentada pela doença.

O planejamento também depende da capacidade de testes que o Estado terá em mãos para fazer e das condições do Sistema de Saúde para receber potenciais infectados pelo novo coronavírus.

Coronavírus em São Paulo

Os dados atualizados pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (20) apontaram um novo e preocupante aumento no número de casos de coronavírus no Estado de São Paulo.

Segundo o novo boletim, já são 14.580 casos espalhados pelos municípios e 1.307 óbitos causados pela Covid-19.

No domingo, eram 14.267 registros confirmados e 1015 mortos por coronavírus.

O número de casos no Brasil subiu para 40.581, com 2.845 óbitos e uma taxa de letalidade de 7%.

Testes em massa

Em entrevista para o canal GloboNews, o vice de Doria prometeu que a testagem em massa começará a ser aplicada na população do Estado no dia 15 de maio.

Essa será, na visão do vice-governador, uma forma de amenizar a quarentena, que tem sua validade atual até o dia 10 do próximo mês.

“Sabendo quem está imunizado, a gente poderá ir liberando estas pessoas do isolamento”, confirmou Garcia.

Segundo o vice-governador, 1,3 milhão de testes já foram aplicados em São Paulo, e mais 575 mil, de um total de 1 milhão comprados da Coreia do Sul, já chegaram ao Estado.

A testagem será feita por amostragem, como fazem os institutos de pesquisa. Isso significa dizer que os testes em massa não serão disponibilizados para toda a população.

Japão pode pagar até R$ 4,9 mil a cada cidadão contra crise do coronavírus