Dori Alimentos: conheça a empresa de doces que pretende estrear na bolsa

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

A Dori Alimentos está na fila para IPO (Oferta Pública Inicial) e afirma ser uma das maiores empresas brasileiras de snacks com alcance nacional.

Os snacks da empresa incluem amendoins, chocolates, balas de goma, balas duras e mastigáveis, pirulitos, entre outros. O portfólio inclui, ainda, marcas conhecidas no mercado brasileiro e sinônimos de suas categorias, como Dori, Pettiz, Gomets, Bolete, Yogurte 100, Chococandy e Disqueti.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

A empresa conta também com um negócio significativo de exportações, que representou 11,4% da receita líquida no período de 12 meses findo em 30 de junho de 2021, atingindo mais de 50 países.

Vamos conhecer mais sobre a empresa?

História da Dori

A história da Dori Alimentos começou em 1967, em Marília, São Paulo, e ao longo desta trajetória a empresa diz que focou sempre na inovação e renovação das linhas de produtos e no crescimento sustentável e continuado.

“Atualmente, temos orgulho de nossas linhas de produtos que focam, cada vez mais, em questões de saudabilidade e exercem papel de liderança, no Brasil, na tendência mundial de Better for You”, diz a empresa no prospecto preliminar.

Todos os snacks de amendoim são forneados, sem adição de óleo. Na linha de balas, a empresa chama a atenção para inovações como o uso de sucos de fruta naturais na composição de aromas e sabores das balas de goma, bem como a adequação dos produtos para consumidores veganos. Ainda, merece destaque a forte presença no atrativo segmento de Fun & Taste.

A Dori diz que está entre os líderes em todas as categorias nas quais atua:

  • Amendoim, com os snacks de amendoim tem 32% de market share;
  • Snacks doces, incluindo gomas de amido, com 60% de market share, balas e pirulitos, com 11% de market share, e regaliz e gelatina, com 8% de market share;
  • Chocolates, que inclui pastilhas de compound, com 65% de market share, granulado, com 30% de market share, e pastilhas de chocolate, com 25% de market share).

A Dori conta, ainda, com duas estratégias que agregam valor à companhia através de parcerias com outras empresas: (i) estratégia B2B, que promove o desenvolvimento de produtos com empresas parceiras, preenchendo nossa capacidade produtiva e (ii) estratégia de co-branding, que busca combinar a marca Dori com outras marcas icônicas no Brasil e no mundo.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3

Dori Alimentos

Atuação nacional e internacional

No exercício social terminado em 31 de dezembro de 2020, o canal internacional da Dori representou 9,3% da receita, por meio da exportação para mais de 50 países.

Em nível nacional, a empresa tem uma rede de distribuição com profunda capilaridade abrangendo todo o território nacional, a qual é suportada por nossos 7 centros de distribuição nas regiões Sul, Sudeste, Norte e Nordeste do Brasil, possibilitando que os produtos estejam presentes em mais de 154 mil pontos de venda por todo o país.

A empresa ressalta que os snacks surgiram como uma alternativa às refeições completas com a mudança de paradigma no comportamento do consumidor. Além disso, os consumidores estão optando por uma opção de lanche que atenda às suas preferências alimentares, como sem glúten, sem lactose, sem gordura e certificado vegano. Devido a esse fator, a demanda do consumidor por opções de snacks convenientes e saudáveis para viagem é o principal atributo para as vendas de snacks em todo o mundo.

O segmento brasileiro do mercado era avaliado em US$ 14,4 bilhões em 2020, e está projetado para atingir US$ 17,3 bilhões em 2026, de acordo com a Mordor Intelligence.

O Brasil atualmente representa 55,7% do mercado de snacks da região da América do Sul, sendo esta responsável por 6,1% do mercado global, segundo a Mordor Intelligence.

Segundo dados da Euromonitor, para o ano de 2020, 71% dos brasileiros consomem snacks pelo menos uma vez ao dia, o que mostra o potencial do mercado brasileiro de snacks.

Dori Alimentos

Pontos fortes da empresa

  • Posição de liderança no mercado de snacks e marcas amplamente reconhecidas pelo público.
  • Rede de distribuição ampla e escalável e instalações estado-da-arte.
  • Expertise na gestão de suprimentos e acompanhamento do mercado.
  • Empresa de donos, com padrões de governança excepcionais.
  • Capacidade única de inovação.
  • Adoção de práticas robustas de ESG.

Estratégias da Dori

  • Lançamento de novos produtos e Expansão nos Produtos Better For You e Derivados de Amendoim com Alta Proteína (snacks saudáveis).
  • Continuada Expansão de Canais de Venda de Maior Margem.
  • Versatilidade no fracionamento e automação em pequenas embalagens.
  • Aumento da exposição à exportação.
  • Investimento em oportunidades de crescimento inorgânico (M&A).

Dados econômico-financeiros

A Dori apresentou crescimento nos últimos anos, acompanhado por uma forte performance financeira em rentabilidade e ROIC.

A empresa obteve um crescimento composto anual de receita líquida de 8,2% entre os anos de 2018 e 2020, margem EBITDA média de 19,2% entre os anos de 2018 a 2020 e um ROIC médio de 21,3% entre os anos de 2018 a 2020.

Dori Alimentos

Pontos fracos da companhia

O segmento de varejo brasileiro é sensível a quedas no poder de compra do consumidor e a ciclos econômicos desfavoráveis.

Riscos para a saúde relacionados à indústria alimentícia podem afetar adversamente a capacidade da Dori de vender seus produtos.

A pandemia impactou e pode continuar impactando as operações, vendas, resultados operacionais e fluxos de caixa da companhia. A extensão, gravidade e percepção de seus efeitos, ou a forma como a pandemia afetou e continuará a afetar os negócios da companhia são incertos e imprevisíveis e podem afetar material e adversamente os negócios.

A Dori poderá não ser capaz de implementar com sucesso sua estratégia de negócios, o que poderá afetar adversamente seus resultados e o valor das ações de sua emissão.

A empresa pode não ser capaz de manter e aprimorar suas marcas, não conseguir desenvolver novos produtos com sucesso ou pode receber reclamações desfavoráveis de clientes ou publicidade negativa, o que pode afetar adversamente suas marcas e suas vendas.

Sobre o IPO da Dori

A Dori Alimentos protocolou o pedido de IPO na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) em 10 de agosto.

A oferta será primária (quando os valores são destinados ao caixa da empresa) e secundária (quando os atuais acionistas vendem parte de suas ações). O fundo de private equity Acon Investments deve vender parte de suas ações, por meio da CandyCo Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, que detém 30,5% da companhia.

De acordo com o prospecto, os recursos captados na tranche primária vão para o pagamento de debêntures privadas e para sustentar o plano de crescimento orgânico da Dori. Assim, inclui o desenvolvimento de novas linhas e o aprimoramento de canais de venda.

O IPO é coordenado por Itaú BBA, JPMorgan, XP e Banco Safra.

Ainda não há detalhes sobre preços e prazos da oferta.