Donald Trump afirma que Emmanuel Macron insultou membros da Otan

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor

Crédito: Ludovic Marin / Pool via Reuters

Uma batalha verbal colocou em lados opostos os presidentes da França, Emmanuel Macron, e dos Estados Unidos, Donald Trump, durante encontro de cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Londres, nessa terça-feira (3).

A troca de farpas começou com o presidente francês dizendo em entrevista, em novembro, que a Otan estava em “morte cerebral”. Já o par norte-americano respondeu que que isso é um insulto e que os países membros precisam aumentar a contribuição para a Organização. Segundo Trump, as palavras de Macron podem ser consideradas “muito desagradáveis”.

A entrevista de Macron foi para a revista The Economist de novembro: “O que estamos vivendo agora é a morte cerebral da Otan”. Indagado nesse primeiro dia da cúpula, ele não só disse que não se arrependia da frase como a mantinha. E a repetiu, dessa vez na frente de Trump e na presença de jornalistas.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

Terrorismo

Para Macron, os países-membros precisam esclarecer alguns pontos que a França julga importantes, como o que cada país considera terrorismo e quem são os inimigos a serem combatidos.

O presidente francês considera que há diferentes entendimentos do que é o terrorismo entre os 28 países-membros da Otan. Citou o caso da Turquia, que recentemente começou uma ofensiva contra os curdos no nordeste da Síria: “Eles estão combatendo agora aqueles que já lutaram conosco (contra o Estado Islâmico)”.

Trump também fez críticas à Otan

Apesar do de considerar as palavras do colega francês “muito desagradáveis”, Trump também já havia feito críticas aos países da Otan, reclamando que poucos países estão no caminho da meta de gastar ao menos 2% do PIB em defesa até 2024.

Não é de hoje. A reclamação de Donald Trump com relação à contribuição dos outros países-membros à Otan acontece há anos. No encontro de cúpula de 2018, ele já falava da meta de 2% do PIB: “Todos fizeram compromissos, e eles investirão até 2% ao longo de um período, um período relativamente curto de anos”.

Retaliação

O presidente americano atacou a França também por outro motivo: um imposto que incide em serviços digitais que, para Trump, discrimina empresas dos EUA, como o Google, a Apple, o Facebook e a Amazon.

Haverá represália. A agência de notícias Reuters publicou nesta segunda (2) que o governo dos Estados Unidos declarou a possibilidade de estipular impostos punitivos de até 100% sobre os US$ 2,4 bilhões em importações da champanhe, queijos, bolsas e outros produtos da França.

Apesar das farpas, os dois presidentes deverão realizar um encontro bilateral durante a cúpula da Otan.